Santo Antão: Seminário internacional sobre ecoturismo adiado para Fevereiro – organização

 

Porto Novo, 24 Dez (Inforpress) – O seminário internacional sobre o ecoturismo, que deveria decorrer, agora em Dezembro, no município do Porto Novo, Santo Antão, foi adiado para Fevereiro de 2018, segundo a organização, que justifica o adiamento com “razões alheias” aos parceiros.

O presidente da câmara do Porto Novo confirmou que, por razões alheias aos próprios parceiros, designadamente das Canárias, este evento internacional ficou adiada para Fevereiro, altura em que Porto Novo receberá especialistas das regiões periféricas da União Europeia (UE) e países associados, para uma reflexão sobre o turismo ecológico.

Teremos, nessa altura, a presença de grandes especialistas internacionais para debaterem o turismo ecológico, segundo Aníbal Fonseca, reiterando o facto de o seminário poder constituir-se numa “grande oportunidade” de promoção do Porto Novo como destino turístico.

O autarca informou que, nessa altura, Porto Novo receberá “uma boa acção diplomática”, com a presença ainda do Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, e do ministro das Finanças, Olavo Correia.

O seminário internacional sobre o turismo ecológico, que se enquadra no projecto Eco-Tur, financiado pela UE, em 250 mil contos, faz parte de uma série de 17 fóruns sobre o ecoturismo previstos, para os próximos dois anos, para as regiões periféricas e Cabo Verde.

As Canárias e os Açores já receberam esse evento.

O projecto Eco-Tur colocou ainda à disposição do Porto Novo, 35 mil euros (quase quatro mil contos) para a promoção do turismo rural, neste município, onde já está a ser criada, nesse âmbito, a rota turística “Claridade”, que ligará Ribeira das Patas ao Planalto Norte.

Através deste projecto, vai ser criada ainda, no Porto Novo, uma rede de miradouros turísticos visando, igualmente, potenciar o turismo rural e de natureza.

Eco-Tur integra uma rede de municípios, da qual Porto Novo faz parte, apostados na conservação e promoção do património natural e etnográfico, através de criação de produtos turísticos.

Além do Porto Novo, a rede inclui ainda municípios das regiões periféricos da UE (Açores, Madeira e Canárias) e ainda do Senegal e Mauritânia, “como associado dos terceiros”.

Santo Antão está na linha de frente no que toca ao turismo da natureza, graças a várias iniciativas em curso nesta ilha, visando  o incremento deste segmento turístico.

O trekking (caminhadas em trilhos à procura de natureza) é, para já, o principal produto turístico da ilha, onde os operadores pretendem apostar ainda em outras componentes desta oferta, como cultura gastronómica, a observação de espécies, escalada e o canyoning na montanha e a observação de cetáceos.

Trata-se de actividades que podem assumir um papel relevante em termos de oferta turística em Santo Antão, a qual tem crescido de ano para ano, apesar de alguma desorganização, revela um estudo sobre o turismo rural em Santo Antão.

JM/ZS

Inforpress/Fim