Santo Antão/Planalto Leste: Agricultores afectados pelo incêndio florestal de Julho clamam pelos apoios prometidos

Porto Novo, 08 Set (Inforpress) – Perto de 20 agricultores, que foram afectados pelo incêndio florestal ocorrido no mês de Julho, no Planalto Leste de Santo Antão, clamam pelos apoios prometidos na ocasião pelo Governo, no âmbito do plano de recuperação deste perímetro florestal.

Conforme revelaram em declarações à Inforpress, esses agricultores que estão distribuídos pelas zonas de Espongeiro, Morro de Vento, Ribeira de Poio, Ninho de Corvo e Curral da Russa, gostariam de receber “alguma compensação” pelos danos causados aos terrenos agrícolas, mas também clamam pelo auxilio do Ministério da Agricultura e Ambiente(MAA) a nível de sementes.

Arlindo Lopes, da localidade de Espinheiro, porta-voz dos agricultores, viu, durante o incêndio de grandes proporções, destruídos cerca de dois hectares da sua propriedade coberta, sobretudo, por ervilha, mas disse à Inforpress que, “até agora”, os lavradores afectados não receberam qualquer apoio do MAA.

“Pelo menos, o Governo deveria apoiar-nos na recuperação dos terrenos e com sementes”, sugeriu Arlindo Lopes.

Logo após o incêndio, que destruiu 200 hectares da floresta do Planalto Leste, uma área correspondente a 13% deste perímetro florestal, o MAA prometeu “reforçar” os apoios aos camponeses, que perderam muitos hectares de plantações, designadamente de feijões.

O incêndio de grandes proporções, além de perdas “avultadas” de pinheiros e arbustos, deixou ainda “muitos prejuízos” a nível dos terrenos agrícolas, situação que continuam a inquietar os camponeses do Planalto Leste.

“A nossa situação é muito complicada. Por isso, gostaríamos de poder contar com o apoio do Governo, porque a nossa situação é mesmo difícil”, notou Arlindo Lopes.

O Governo anunciou um plano de recuperação do perímetro florestal do Planalto Leste, estimado em 60 mil contos, prevendo que a floresta levará mais de cinco anos a ser recuperada.

JM/FP

Inforpress/Fim