Santo Antão: Cemitérios de judeus de Penha de França e Ponta do Sol re-dedicados em Novembro (c/áudio)

Ribeira Grande, 22 Set (Inforpress) – Os cemitérios de judeus da Penha de França e da Ponta do Sol, no concelho da Ribeira Grande, Santo Antão, vão ser re-dedicados, a 06 de Novembro, após receberem obras de requalificação.

Trata-se de uma parceria entre a Câmara Municipal de Ribeira Grande (CMRG) e o projecto de conservação da herança judaica em Cabo Verde (Cape Verde Jewish Heritage Project), dirigida pela jornalista Carol Castiel, que contou com “uma generosa doação de Sua Majestade o Rei Mohammed VI, do Marrocos”.

Esses cemitérios são testemunhos da presença dos judeus sefarditas na ilha de Santo Antão e a recuperação foi promovida por Carol Castiel, mentora do projecto de conservação da herança judaica em Cabo Verde.

A cerimónia de re-dedicação desses cemitérios será, igualmente, ocasião para a inauguração de placas de bronze descritivos, relatando a chegada de judeus marroquinos nas transcrições do século XIX, e espera-se a presença de altos dignitários do governo cabo-verdiano, descendentes, um rabino sefardita e dignitários internacionais.

Na entrevista que concedeu à Inforpress durante a sua mais recente visita à ilha de Santo Antão, Carol Castiel mostrou-se entusiasmada com o facto de o Governo ter declarado a herança judaica em Cabo Verde como “património nacional, histórico e cultural”, em Junho de 2017.

“É um grande passo em frente”, disse Carol Castiel, considerando que esse “foi um objectivo almejado pelo Cape Verde Jewish Heritage Project ao longo dos anos”.

Os objectivos do projecto de preservação da herança judaica em Cabo Verde encontraram “terreno fértil” junto da Câmara Municipal da Ribeira Grande que já tinha feito algum trabalho nesse sentido e se mostrou aberta para absorver as ideias apresentadas pela equipa de Carol Castiel.

O vereador da Cultura, Francisco Dias, disse na ocasião que a Câmara pretende que os cemitérios de judeus sejam “um espaço de homenagem” aos judeus que viveram em Cabo Verde e, particularmente, àqueles que viveram na Ribeira Grande e contribuíram para o desenvolvimento de um espírito empreendedor no concelho, sobretudo, no sector do comércio.

“Queremos assinalar os cemitérios de judeus como pontos de interesse para o turismo religioso e de conhecimento”, disse Francisco Dias, explicando que se trata de uma forma de dotar as cidades da Ribeira Grande e da Ponta do Sol de dois “pontos de memória da presença dos judeus em Cabo Verde”.

Mas a herança judaica em Cabo Verde não se resume aos cemitérios e, segundo Carol Castiel, a sua organização está a financiar um trabalho de recolha histórica que deverá resultar num livro que está a ser preparado pela historiadora cabo-verdiana, de ascendência judaica, Ângela Sofia Benoliel Coutinho.

HF/JMV

Inforpress/Fim