Santo Antão: 60 mil contos para combate à pobreza no município do Porto Novo em 2018  

Porto Novo, 06 Abr (Inforpress) – Porto Novo receberá, durante 2018, um montante de 60 mil contos para as acções de combate à pobreza no município, no quadro do programa de promoção das oportunidades rurais (Poser), co-financiado pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

Esta verba, segundo o Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA), que tutela o Poser, vai ser investida, essencialmente, em projectos agrícolas neste concelho, sendo de destacar o reforço e alargamento da área de produção do inhame no Tarrafal de Monte Trigo e da área agrícola em Alto Mia, Ribeira dos Bodes e Ribeira das Patas.

Ainda para este ano, de acordo o delegado do MAA no Porto Novo, este concelho, com uma taxa de pobreza de 51%, vai ser contemplado com outros projectos financiados através do Poser, entre os quais a reparação do sistema fotovoltaico do furo de Chã de Norte, construção de um reservatório e instalação de um sistema de rega gota a gota em Lajedinho, nos arredores da cidade do Porto Novo.

Através deste programa, que está a ser implementado em Santo Antão desde 2014,  estão também a ser equipados os furos da Ribeira Fria, Poio da Ribeira dos Bodes e de Jorge Luís e ainda vão ser instalados inversores nos furos de Chã de Norte, Martiene, João Bento e em Chã de Mato/Ponte Sul.

Toda a ilha de Santo Antão, onde 54% da população é ainda pobre, recebeu, entre 2014 e 2017, no quadro do Poser, investimentos na luta contra a pobreza à volta dos 130 mil contos.

No âmbito do Poser, que tem o suporte financeiro, além do FIDA, também do Fundo Fiduciário Espanhol para a Segurança Alimentar, são contemplados projectos geradores de rendimentos nas áreas da agricultura, pecuária, pesca, de entre outros.

Uma missão de avaliação do FIDA, que esteve em Santo Antão em finais de 2017, constatou que o Poser, cujo término se prevê para os princípios de 2019, está a ser “uma realidade” nesta ilha, mas mostrou-se preocupada com o “atraso significativo”, na execução do programa a nível nacional.

Em finais do 2017, a taxa de execução do Poser em Cabo Verde, tanto em termos físicos como financeiros, andava à volta dos 50%.

Em Santo Antão, embora se desconheça a taxa de execução do Poser, os projectos têm sido implementados “com maior celeridade” devido à própria dinâmica do Conselho Regional de Parceiros (CRP) e da unidade técnica do programa, reconheceu, na ocasião, a missão do FIDA.

JM/ZS

Inforpress/fim