Santiago Norte: Lançado projecto agrícola para beneficiar directamente 49 mulheres da Ribeira de São Miguel

Calheta, 27 Mar (Inforpress) – O Ministério da Família e Inclusão Social e a Câmara Municipal de São Miguel lançaram hoje um projecto que vai beneficiar directamente 49 mulheres e indirectamente 557 outras da localidade do meio rural Ribeira de São Miguel.

“O projecto de inclusão socioeconómica e desenvolvimento da Ribeira de São Miguel vai permitir que mulheres dessa ribeira tenham a possibilidade de ter um emprego, acesso ao rendimento, e com isso vão ter condições para educar os seus filhos, cuidar da saúde e ter uma vida condigna”, precisou o edil micaelense, Herménio Fernandes.

O autarca, que falava aos jornalistas após a apresentação do referido projecto, que visa “reduzir a pobreza, promover o emprego e empoderar as mulheres” da Ribeira de São Miguel, informou que pretendem com o mesmo diversificar a forma de produzir e de trabalhar a nível da agricultura.

Segundo ele, para além da agricultura, o projecto, financiado pelo Hotel De Cameron da ilha da Boa Vista, duas ONG francesas, uma empresa local, a câmara e Ministério da Família e Inclusão Social, orçado em 17 mil contos, prevê ainda criação de uma loja social, uma loja agrícola e uma cooperativa.

Conforme avançou, nesta primeira fase devem avançar os testes das sementes que melhor poderão adaptar-se àquela ribeira e a partir da confirmação dos mesmos devem arrancar com a produção em escala de produtos hortícolas e colocação nos mercados turísticos da Boa Vista, tendo em conta que o projecto tem como parceiro o Hotel De Cameron, daquela ilha.

Por sua vez, a ministra da Família e Inclusão Social, Maritza Rosabal, afirmou que este projecto vai “transformar” aquela ribeira nos próximos três anos, assegurando que o mesmo arranca na próxima semana com mobilização de água, que passa pela construção de cisternas e depois a questão dos campos agrícolas.

A governante explicou que pretendem com esta iniciativa fazer com que as mulheres daquela ribeira não fiquem “desanimadas” em caso de seca, como se registou no ano anterior, reiterando o compromisso do Governo em mobilizar água para aquela zona rural do interior de Santiago.

Relativamente à questão de acessibilidades prometeu que “brevemente” obras serão inauguradas, e permitir que após a produção os produtos sejam colocados nos mercados.

FM/AA

Inforpress/Fim