Santiago Norte: Cooperativa dos pescadores e peixeiras pede descentralização dos serviços ligados ao sector

 

Assomada, 04 Fev (Inforpress) – A cooperativa dos pescadores, peixeiras e armadores de Santiago Norte pediu neste domingo a descentralização dos serviços ligados ao sector, sugerindo a criação de delegações em todas as vilas piscatórias da região.

O presidente da instituição, José Rui Oliveira, lançou este repto em São Miguel, à margem do 7º encontro das Associações de Pescadores e Peixeiras de Santiago, no âmbito das comemorações do Dia do Pescador Cabo-verdiano, assinalado sob lema “Por uma pesca sustentável, protege o ambiente marinho”, a ser celebrado esta segunda-feira, 05.

De acordo com este responsável, a descentralização pretendida vai proporcionar um “diálogo diferente” com as instituições ligadas ao sector e ainda a facilitar a vida dos profissionais do mar, que são obrigados a se deslocarem diariamente à Cidade da Praia, para pagarem as matrículas das embarcações.

Para José Rui de Oliveira, tal delegação, compostas por pessoas capacitadas e apetrechada com recursos próprios, e não passando pelas autarquias como acontece actualmente, teria todas as condições para incrementar o sector das pescas na região Norte.

Por outro lado, apelou à “intervenção urgente” do Governo, no sentido de que as vilas piscatórias tenham postos de combustíveis e que se retire a taxa de estradas cobrada na compra dos combustíveis por parte dos pescadores.

A propósito, fez saber que a cooperativa tem em curso um projecto, em parceria com uma empresa de combustíveis, mas que no entanto estão à espera outros parceiros para a sua materialização.

Segundo o também presidente da Associação dos Pescadores e Peixeiras de Ribeira da Barca (APPRB), os pescadores desta região do interior de Santiago vêm enfrentando “muitas dificuldades”.

Falta de equipamentos, ou seja, materiais de pesca, falta de combustíveis e ainda problemas por resolver em algumas máquinas de gelos, são algumas as dificuldades apontadas.

De acordo com dados estatísticas do INDP, existem 600 pescadores e peixeira na região piscatória de Santiago Norte, distribuídos pelos concelhos de Santa Catarina, Tarrafal, São Miguel e Santa Cruz.

FM/JMV

Inforpress/Fim