Santiago: Maioria da população de São Loureço dos Órgãos usa apenas lenha para cozinhar- INE

João Teves 12, Ago (Inforpress) – A maioria (67,7%) da população do município de São Loureço dos Órgãos, no interior de Santiago, apenas usa lenha para cozinhar, revelou o Instituto Nacional de Estatística.

Os dados foram divulgados pelo INE, no âmbito das comemorações do Dia do Município e de São Loureço , santo padroeiro local, que tiveram o seu pico com a celebração eucarística, que aconteceu sob “chuva mansa”, esta sexta-feira, 10.

No que se refere às condições de vida, os dados de 2017 apontam que 67.7% da população apenas usava lenha para cozinhar, enquanto que 31.7% usava gás.

O estudo do INE indica que 92,4% da população tinha acesso a electricidade, 68,5% a casa de banho, 71,3% acesso a rede pública de abastecimento de água e 51.3% usava contentores para evacuação de lixos.

Nos últimos 27 anos, revela a mesma fonte, São Lourenço do Órgãos perdeu 778 habitantes. O gráfico da população do município demonstra um decréscimo contínuo da população desde 1990, altura em que São Loureço dos Órgãos contava com cerca de 7.811 habitantes, contra 7.033 habitantes recenseados no ano passado, segundo dados estatísticos de 2016/2017, do INE.

Assim, neste momento, a população residente de São Lourenço dos Órgãos representa apenas 2,3 por cento (%) da população residente da ilha de Santiago e 1,3 de Cabo Verde. Quanto ao sexo, a fasquia é de 50 por cento (%) de cada lado e a média de idade da sua população é de 30,5 anos.

A faixa etária entre os 35 e 64 anos representa a fatia maior da população, 26,6%, seguido da faixa etária entre os zero e os 14 anos com 26,2%, de 15 a 24 anos com uma taxa de 24,0%, de 25 a 34 anos com 14,7% e com mais de 65 anos, 8,5%.

Em termos de agregados familiares, o INE refere que o município dispõe de 1.570 agregados, mais 17 agregados que em 2016, dos quais 49,1% são representados pelo sexo masculino e 50,9% pelo sexo feminino.

Quanto à educação, os dados do INE indicam que 87.3% da população com idade superior a 15 anos é alfabetizada, sendo que 93,3% é do sexo masculino e 81,4% do sexo feminino e que na faixa etária entre os 15 e 24 anos, a taxa de alfabetização é de 98,9% (99,0% do sexo masculino e 98,7% do sexo feminino).

Com relação ao nível de instrução, os dados apontam que 8,6% da população nunca frequentou estabelecimento de ensino, 1,3% frequentou alfabetização, 41,8% o ensino secundário e 8,2% o ensino superior, sendo que o número médio de anos de estudos é de 7,4 anos.

Em relação ao mercado de trabalho, a taxa de desemprego é de 6,1%, sendo maior nas mulheres (6,9%) e menor nos homens (5.7%), tendo em 2017 registado um aumento da taxa de desemprego na ordem dos 1,6 por cento em relação ao ano de 2016, e a taxa de ocupação é de 31,7%,
Já o desemprego jovem (15 a 24 anos) atinge 15,8%, com ligeiro aumento de 0,6% em relação a 2016.

Quanto ao acesso às tecnologias de informação e comunicação (TIC), os dados indicam que 7,6% tinha telefone fixo, 79,2% dispunha de televisores, cerca de 10,4% de televisão por assinatura, 22.9% tinha computadores, 11,7% tabletes e 62,8 internet.

GSF/JMV

Inforpress/Fim