Santa Cruz/Regiões Administrativas: Apresentador sugere a socialização da proposta antes da sua aprovação 

Pedra Badejo, 14 Set(Inforpress) – O apresentador Carlos Garcia sugeriu esta quinta-feira, em Santa Cruz, a socialização da proposta de Lei que cria as regiões administrativas com os munícipes antes da sua aprovação.

O apresentador fez estas declarações à margem do debate realizado quinta-feira no salão nobre da Câmara Municipal de Santa Cruz que contou com a presença das bancadas do MpD, do PAICV e de munícipes.

Segundo Carlos Garcia, o objectivo deste debate é principalmente a socialização do tema com os munícipes e, a recolha de subsídios para a deliberação a ser tomada, na II sessão extraordinária da AM.

De acordo com o jurista, a câmara municipal de Santa Cruz teve uma iniciativa “louvável” em querer ouvir a opinião dos munícipes antes de deliberar a proposta que cria as regiões administrativas, por isso, neste encontro foi apresentado as duas propostas para que os munícipes pudessem dar as suas opiniões.

Segundo o mesmo, a regionalização é uma matéria “importante” que vai mexer com o próprio estado e que deve ser debatida e “mais amadurecida”, e sair do “foro” político, propondo aos poderes públicos a criação de uma comissão, com juristas, engenheiros, académicas ou sociedade civil sem nenhum interesse político nesse processo, para discutir e estudar esta questão.

Avançou que a proposta tem que ser “bem feita”, debatida e estudada antes de ser avançada, e se tiver “benefícios para as pessoas”, elas têm que ser a favor. O certo, considerou, é que tem que ser escolhido um “melhor modelo”.

Disse ainda que Santa Cruz, sendo um município, deve ter essa preocupação de informar os munícipes e explicar o que é regionalização, quais são as vantagens e desvantagens e que a Assembleia Municipal tem que reflectir sobre as ideias dos munícipes.

A mesma fonte considerou igualmente que “este debate está muito no foro político” e que a sociedade tem ainda algum “desconhecimento” do assunto, e que “muitas pessoas não sabem o que é regionalização, pelo menos em Santa Cruz onde muitos não participam na vida política do município”.

Por essas razões, enfatizou que é necessário explicar e socializar antes de debater, daí a realização da reunião para explicar os munícipes e depois ouvir as suas opiniões, que são “muito importantes”.

Para o munícipe José Barbosa, a regionalização não é mais nem menos do que um “fenómeno” de natureza exclusivamente político e que existe dois modelos concebidos em Cabo Verde e que por isso não tem “necessidade” da sua “existência”.

No seu entender, “este modelo não deixa de ser uma falsa política, uma fantochada e palhaçada que não cabe na cabeça de um cidadão digno de Cabo Verde”, realçou, acrescentado ainda que é “tão baixo trazer este tema para ser discutido no concelho de Santa Cruz”.

CL/ZS

Inforpress /Fim