sarıyer haberleri">

Santa Catarina: Vendedeiras ambulantes dizem que querem vender “sem perseguição” dos fiscais

 

Assomada, 14 Nov (Inforpress) – As vendedeiras ambulantes (peixe, frutas e legumes) pediram à edilidade que lhes deixe vender nas ruas da cidade de Assomada, Santa Catarina “sem perseguição” dos fiscais ao menos neste “tempo difícil” da seca e mau ano agrícola.

As comerciantes informais, que procuraram hoje a comunicação social para fazer esse “desabafo” e se manifestaram em frente à câmara municipal. dizem-se “perseguidas” pelos fiscais, apesar de não os atribuir a “culpa”, ou seja, estão apenas a cumprir ordens da autarquia.

“Estamos apenas a procurar o pão para o sustento dos nossos filhos”, desabafou a peixeira Edna, que conta que os fiscais têm confiscado as suas mercadorias (banheira de peixe) à cabeça, mesmo que não estejam a vender.

Inconformada com a atitude dos fiscais, que considera uma “atitude abusiva”, a jovem peixeira questionou se os mesmos têm esse direito de até confiscar os seus pertences estando no carro de regresso à casa.

Conforme explicou a jovem peixeira, as mercadorias são apreendidas e ainda são aplicadas uma coima de cinco mil escudos.

Gracinha, outra peixeira, que partilha da mesma opinião lembrou que todas são chefes de família, com responsabilidades a serem cumpridas e com filhos a estudar, e que com o mau ano agrícola que assola o país as coisas complicaram ainda mais, por isso entende que a autarquia deveria ter “mais tolerância”.

“Apenas pedimos que nos deixem vender com a nassa banheira em cima das nossas cabeças. Se o presidente não quer que vendemos nas ruas que nos dê trabalho ou então que crie condições. O mercado de Achada Riba não tem lugar para albergar todas as vendedeiras ambulantes”, expôs a rabidante, pedindo que crie outro espaço.

Contactado pela imprensa, o edil José Alves Fernandes afirmou que a edilidade vai ser “intransigente, tolerância zero” para com a venda de peixe e carne na rua, ajuntando que tal medida é por uma questão de saúde pública e segurança alimentar que está em causa.

É que segundo o autarca, a cidade de Assomada é uma urbe de comércio e de feira, e nesse sentido, têm privilegiado a organização da feira que passa por colocar cada produto no seu devido espaço.

Em relação ao espaço que as vendedeiras alegam que não há no mercado novo, o edil convida-as a irem experimentar e que caso não caberem todas, a responsabilidade será toda da autarquia, que vai arranjar “outra solução”.

“Porque é que há um grupo no mercado a cumprir as medidas da autarquia”, questionou o autarca, asseverando que terão “tolerância zero” contra os incumpridores.

FM/FP

Inforpress/Fim

 

 

 

%d bloggers like this:
Modüler Bölme Duvar Açık ofis bölme sistemleri Ofis Bölme Sistemleri Jaluzili cam bölme Cam bölme duvar Jaluzili bölme duvar Çocuk odası Diş polikliniği dekorasyonu Ofis dekorasyonu Hastane dekorasyon Ev dekorasyonu Sivas prefabrik Mutfak dekorasyonu Ofis dekorasyonu İç mimari dekorasyon