Santa Catarina: Orçamento rectificativo da autarquia aprovado com votos a favor do MpD e abstenção do PAICV

Assomada, 03 Ago (Inforpress) – O orçamento rectificativo da Câmara Municipal de Santa Catarina (ilha de Santiago) para 2018 foi aprovado hoje com os votos favoráveis do MpD e abstenção do PAICV, em sessão extraordinária da Assembleia Municipal.

A proposta ficou aprovada com 11 votos dos eleitos do Movimento para a Democracia (MpD – partido que gere a câmara) a a abstenção dos 10 deputados do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV – oposição).

O documento foi apresentado pelo edil, José Alves Fernandes, que disse que o mesmo se deve à introdução de novos projectos conseguidos através de novos financiamentos junto do Governo e da cooperação descentralizada, tendo assegurado que a gestão da sua equipa é “transparente e que não há nada de manobra”.

Elaboração de projecto para novo estádio municipal, requalificação de cinco escolas e jardins e outras infra-estruturas municipais (espaço jovem, Casa da Sopa e Loja Social), são os novos projectos inscritos no orçamento rectificativo autarquia santa-catarinense de 2018.

O autarca esclareceu que o montante global, num valor de 1.247.000 contos, mantém-se, acrescentando que essa rectificação é para fazer ajustamento a nível de projectos inscritos inicialmente para acomodarem projectos que conseguiram financiamento nos últimos anos.

Já o líder do PAICV, Lamine Tavares, disse que a sua bancada não é contra os novos projectos introduzidos pela edilidade, justificando que votaram abstenção, por entenderem que estes projectos “pecam” por virem “tardio” e por serem reivindicações que deveriam ser cumpridas há mais de oito anos.

No dizer deste eleito, a edilidade “retirou” alguns projectos como a requalificação de escolas de Boa Entradinha, Chã de Lagoa, Boa Entrada, espaço jovem de Fundura e Volta Monte, que, segundo ele, foram aprovados com votos favoráveis do seu partido para poder dar “visibilidade” ao Governo que tem uma avaliação “negativa” neste município do interior de Santiago.

Para PAICV, o Governo que está mal avaliado em Santa Catarina, está a dar dinheiro a edilidade para colocar no orçamento rectificativo numa “manobra clara de estratégia politica”.

A sessão extraordinária serviu, igualmente, para aprovação d a proposta de alienação de viaturas e geradores e apreciar o relatório a meio percurso referente ao ano em curso, que mereceu leituras diferentes das duas bancadas, quanto ao desenvolvimento do concelho.

Para a bancada do MpD, o balanço a meio percurso que tem uma execução de mais de 40 por cento (%) é “extremamente positivo”, sustentando que são seis meses de muitas realizações e de obras estruturantes em curso tanto no centro da cidade de Assomada como em todas as localidades, com foco no desencravamento.

Já o PAICV fez um balanço “negativo”, argumentando que a Câmara, mesmo admitindo que Santa Catarina é um concelho agrícola, priorizou o centro da cidade de Assomada, que, conforme aquele partido, com a situação da seca , deveria dar “uma atenção especial” às zonas rurais.

FM/JMV

Inforpress/Fim