Santa Catarina: Edilidade vai ajudar 14 jovens de Ribeira da Barca formandos em arte em cabedal na montagem de atelier

Assomada, 10 Ago (Inforpress) – A autarquia de Santa Catarina vai ajudar os 14 jovens de Ribeira da Barca que terminaram hoje uma formação de arte em cabedal na montagem de atelier para que possam produzir em escala e colocar os produtos no mercado.

A garantia foi dada hoje à Inforpress, pelo presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina (ilha de Santiago), José Alves Fernandes, no final de uma formação de um mês destinada a 14 jovens de Ribeira da Barca (10) e Charco (4), que viviam da extracção de inertes.

“A ideia é criar condições nas localidades para que os jovens tenham oportunidade e, sobretudo, cria-los espírito de equipa para que possam trabalhar em grupo, para que possam ganhar mercado (…) e rendimento”, adiantou o autarca.

Conforme informou, a edilidade vai trabalhar em parceria com atelier Beto Diogo para montagem dos dois ateliês (em Charco e Ribeira da Barca), que passa pela aquisição de materiais necessários para este arranque , ainda este ano.

Na ocasião, disse ainda à Inforpress que a câmara pretende levar a mesma iniciativa a outras localidades do concelho, para que efectivamente todos os jovens com talento e potencialidades possam ter oportunidade e rendimento.

Por sua vez, o promotor da iniciativa e formador, Beto Diogo, fez uma avaliação positiva da formação financiada pelo Quadro Integrado Reforçado (QIR), tendo alertado os formados que a formação requer continuidade e, por isso, anunciou mais uma acção de formação após a criação da cooperativa.

Nesse sentido, acredita que com este “reforço” de formação, esses jovens vão estar em condições de produzirem em cooperativa e vender os seus produtos em Assomada.

A formanda Adalgisa Lopes, que se congratulou com a proposta da edilidade em ajuda-las na montagem de um atelier, crê que organizados em cooperativa “têm tudo para dar certo” e que todos vão poder “debelar o desemprego e ter um rendimento”.

É que segundo ela, a localidade tem recebido turistas que procuram por produtos artesanais, almejando, igualmente, vender em outras paragens do concelho.

Por isso, diz esperar que a proposta da edilidade “não fique apenas no papel”, porque senão de nada adianta formá-las.

A jovem dona de casa e desempregada de momento deixou o compromisso de transmitir os conhecimentos a outras pessoas, para que possam, igualmente, ter algum rendimento.

A formação, que decorreu na localidade de Ribeira da Barca, visou a capacitação de jovens para criarem os seus próprios negócios e dinamizarem a economia local, decorrente de um projecto do Quadro Integrado Reforçado (QIR) do Ministério da Economia, em parceria com a Câmara Municipal de Santa Catarina e o Atelier Beto Diogo.

Na vila de Ribeira da Barca, mais de 75 por cento (%) da população dependem da pesca e da extracção de inertes, sendo que quase totalidade dos formandos dependia desta actividade lesiva do equilíbrio ecológico.

FM/JMV

Inforpress/Fim