Santo Antão: Resultados do programa de mitigação da seca são animadores – Presidente da AN

Porto Novo, 13 Jun (Inforpress) – Os resultados e o impacto do programa de mitigação dos efeitos da seca e salvamento do gado em Santo Antão, que enfrenta “uma situação de seca severa”, são “animadores e positivos”, considerou hoje o presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos.

Jorge Santos, que está de visita a Santo Antão, para avaliar o impacto do programa de mitigação dos efeitos da seca, numa deslocação às zonas altas, as mais atingidas pela seca “quase absoluta” que assola esta ilha, testemunhou “uma grande interacção e sintonia” entre agricultores, criadores, Governo e câmaras municipais na execução desse plano, iniciado em Dezembro.

O presidente da AN e deputado eleito pelo circulo eleitoral de Santo Antão mostrou-se, por isso, “satisfeito” com os resultados dos primeiros meses do programa de mitigação dos efeitos da seca que, apesar das dificuldades, está a funcionar em toda a ilha, admitiu.

Ainda nesta visita, o líder do parlamento cabo-verdiano manteve encontros com as populações do Planalto Leste e informou que as comunidades estão a aguardar com “muita expectativa” a entrada em funcionamento do projecto de captação e adução de água para esse planalto, que deve acontecer ainda neste mês de Junho.

O presidente da Câmara Municipal do Paul, António Aleixo, confirmou que a inauguração deste projecto, financiado no âmbito do II compact do MCA (Millenium Challange Account), que vai abranger as zonas de Corda, Esponjeiro, Alto de Companhia, Lagoa, Espadaná, Lombo de Figueira e Pico da Cruz, “está para breve”.

Entretanto, no Porto Novo, onde os efeitos da seca são mais sentidos, dadas as especificidades deste concelho, o mais árido Santo Antão, os criadores de gado dizem enfrentar “muitas dificuldades” para adquirir a ração para o salvamento dos seus animais, devido à falta de rendimentos.

De acordo com a Associação dos Criadores de Gados, “a maioria” dos criadores está a amontoar os vales cheques em casa, porque não tem condições económicas para adquirir ração, mesmo com o desconto dos 20% por cada saco.

“Ração tem, mas o que acontece é que muitos criadores recebem os vales cheques, mas não conseguem comprar a ração porque não tem condições”, explicou Romeu Rodrigues, representante desta associação.

A edilidade portonovense e delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) já admitiram a necessidade de o Governo reforçar as verbas para o programa de mitigação da seca, designadamente a novel de criação de emprego, num altura em que Porto Novo está a atravessar a situação mais critica em termos de seca.

JM/JMV

Inforpress/Fim