Ribeira Grande: Plano de emergência contempla emprego público, abastecimento de água e salvamento de gado – edil

 

Ribeira Grande, 01 Nov (Inforpress) – A Câmara Municipal da Ribeira Grande espera a comparticipação do Governo e vai reorganizar o orçamento municipal para mobilizar 68 mil contos necessários à implementação de um “plano de emergência” que minimize os efeitos do mau ano agrícola.

O presidente da câmara, Orlando Delgado, disse à Inforpress que o plano de emergência preparado pela câmara municipal prioriza os três sectores que mais sofrem com os efeitos do mau ano agrícola, nomeadamente, o emprego público, o abastecimento de água e o salvamento de gado.

É que, segundo o edil Orlando Delgado, “Ribeira Grande é um concelho agrícola e, com a ausência de chuvas, a situação é muito difícil” tendo em conta que os agricultores semearam o pouco que tinham e perderam tudo, já que a colheita será nula, daí a necessidade da promoção de actividades geradoras de rendimento além da implementação de projectos que criem empregos nas diferentes localidades do concelho.

Por outro lado, “mais de 95 por cento da população tem ligação domiciliária de água”, disse Orlando Delgado, prevendo dificuldades no futuro próximo tendo em conta que essas ligações são abastecidas por pequenas nascentes que, com a ausência de chuvas, acabam por diminuir o caudal provocando, por isso, uma diminuição da água disponível para o abastecimento.

Para colmatar essa dificuldade, a câmara está a trabalhar no sentido de equipar furos de prospecção de águas subterrâneas, que já existem em diferentes localidades, e que podem resolver parte do problema com a disponibilização de água para a agricultura e para o abastecimento público.

Para agravar a situação, o único camião autotanque que a edilidade tem está avariado e Orlando Delgado prevê muita dificuldade para abastecer as populações das zonas altas do município, onde se pratica o grosso da actividade pecuária, e que, até ao momento, têm vindo a ser abastecidos com água auto transportada.

“Somos um concelho em que a pecuária tem um peso significativo e temos de acautelar o salvamento do gado” disse Orlando Delgado, prevendo enormes problemas provocados pela falta de água e de pasto razão que explica a introdução desse sector no plano de urgência.

HF/ZS

Inforpress/Fim