Acordo entre Governo e Loftleider Icelandic para gestão da TACV internacional foi um dos factos económicos marcantes em 2017

Cidade da Praia, 25 Dez (Inforpress) – A assinatura do contrato entre o Governo de Cabo Verde e a Loftleider Icelandic do grupo Icelandair, visando a gestão da Transportadora Aérea Cabo-verdiana (TACV- internacional), foi um dos factos económicos marcantes em 2017.

De acordo com o ministro da Economia e Emprego, José Gonçalves, o contrato de um ano, prevê mudanças substanciais no modelo de gestão da empresa que terá por base um plano de negócio acordado entre as partes com o objectivo de não apenas concluir o processo de reestruturação dos TACV, mas sobretudo, transformar Cabo Verde num “hub” de operação aérea no atlântico médio.

Depois da assinatura do acordo, a Icelandair Loftleider Icelandic pertencente ao grupo Icelandair já reforçou a frota internacional da TACV com mais dois aparelhos boeing 757, mas o plano de negócios prevê aumentar para cinco até final de 2018 e 11 dentro de três anos.

Com o acordo assinado, a empresa aérea cabo-verdiana deixou de operar os voos domésticos, na decorrência do processo de reestruturação da companhia em curso, continuando a voar apenas a nível regional.

 A Binter Cabo Verde, uma empresa aérea de capital estrangeira, passou a assumir a responsabilidade de ligar as ilhas de Cabo Verde.

A revisão em alta das perspectivas de crescimento económico para 2017 e a previsão do aumento do PIB próximo dos 4% em 2018, foram também algumas das novidades que marcaram a actualidade económica do ano findo, em Cabo Verde.

Estas novidades anunciadas pelo Banco de Cabo Verde (BCV) têm maior relevância, por ocorrer num contexto em que o FMI se prevê como iminente o fim da crise e consequente retoma da economia mundial.

No relatório da política monetária divulgado, o BCV explica que a revisão em alta das perspectivas de crescimento para 2017 reflecte a maior dinâmica, observada até o final do primeiro semestre, do investimento privado financiado com capital externo e interno e do consumo privado.

O início da primeira fase das obras do projecto turístico integrado do Ilhéu de Santa Maria, o maior investimento turístico realizado até agora em Cabo Verde, foi igualmente um facto económico marcante no país durante o ano de 2017.

O complexo turístico, localizado na baía da Gamboa, na zona da marginal da Cidade da Praia, está orçado em mais de 250 milhões de euros, vai ocupar uma área de aproximadamente 153 mil metros quadrados.

No ilhéu, vai ser construído um resort com um centro internacional de convenções, um centro cultural, incluindo um museu da escravatura, uma boutique-hotel, além de espaços verdes.

O resort, do empresário chinês (Macau) David Chow, que permitiu a abertura de mais postos de trabalho no país, será ainda dotado de uma marina com clube náutico e capacidade para entre 20 a 30 embarcações.

O encontro para a cooperação económica e comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, que serviu para estreitar as relações e concretizar parcerias, também marcou a actualidade económica cabo-verdiana.

Um outro facto que merece destaque no ano findo é a realização do IV fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local (IV FMDEL) que contou com delegados oriundos de mais de 80 países, abrangendo todos os continentes.

Durante o fórum, foram realizadas mais de 50 sessões, com mais de 190 oradores, onde foram debatidos assuntos ligados ao DEL, no quadro dos ODS, com três áreas temáticas, nomeadamente “Integração e Coesão Territoriais”, “Resiliências e Sociedades pacíficas” e “Economia Sustentável e Inclusivo”.

Em termos de infra-estruturas económicas, a expansão e modernização do Porto da Palmeira, na ilha do Sal, com capacidade de atracagem de navios de longo curso, e a execução oficial do Projecto São Pedro Hills Resort, já em construção na localidade de Santo André (São Vicente), traduziram-se num dos ganhos do sector da economia do país.

O Projecto São Pedro Hills Resort é um empreendimento de sete famílias belgas avaliado em 12,3 milhões de euros.

A aprovação da nova lei que regula a organização, composição, a competência e o funcionamento do Tribunal de Contas (TC) no Parlamento foi outra novidade do ano.

O ano de 2017 fica marcado, ainda, pela assinatura do Acordo Estratégico de Médio Prazo, aprovado em sede de Conselho de Concertação Social, envolvendo todos os parceiros sociais, nomeadamente os sindicatos, o patronato e o Estado.

Também foi aprovado o Orçamento Geral do Estado (OGE) para o ano económico de 2018, estimado em mais de 61 milhões de contos.

O acordo institucional entre o governo e os bancos comerciais, visando a partilha de riscos no financiamento às Instituições de Micro Finanças (IMF) em Cabo Verde, constitui um outro acontecimento de carácter económico marcante em 2017.

A apresentação do estudo sobre o reposicionamento estratégico do sector privado cabo-verdiano, que recomendou a criação de uma confederação empresarial que integra todas as associações empresariais no sentido de as tornar mais eficazes, foi mais uma novidade.

A nível do desempenho, Cabo Verde caracterizou-se em 2017 pela sua melhoria no ambiente de negócios, tendo subido duas posições no índice “Doing Business 2018”, de acordo com o Banco Mundial (BM).

Um outro facto que merece destaque em 2017 é a subida de Cabo Verde em duas posições no Índice de Desenvolvimento das Tecnologias de Informação e Comunicação (IDI) da União Internacional das Telecomunicações (UIT) e a sua colocação no quarto lugar nível da África.

O ano de 2017 foi marcado também por vários outros acontecimentos e realizações: A Semana Global de Empreendedorismo; a 21ª edição da Feira Internacional de Cabo Verde (FIC), que este ano aconteceu sob o Lema “Cabo Verde o Hub para a África Ocidental; o terceiro Workshop Regional sobre as Contas Nacionais e a primeira Feira de Emprego realizada em Santiago Norte”.

A realização da IV edição do Salão Automóvel de Cabo Verde (ExpoAuto), após um interregno de seis anos e a primeira edição da feira e a exposição multissectorial da Expo/Santiago, visando dinamizar a economia dos municípios da região norte da maior ilha do país, constituem alguns dos acontecimentos marcantes em 2017.

Há vários outros eventos que merecem também ser mencionados em 2017: A realização da quarta edição do festival do Café do Fogo (Fogo Coffee Fest); o segundo Fórum Qualidade de Serviço e Ambiente de Negócios, direccionado para região norte do país; a conferência de apresentação do “programa AESE-IDD em Alta Direcção de Negócios” e a inauguração do primeiro casino do país, na cidade turística de Santa Maria, na Ilha do Sal.

A criação do Sindicato de Serviços dos Trabalhadores Domésticos e Informais (SSTDI) e da Associação do Turismo de Santiago bem como a eleição de Cabo Verde como vice-presidente da Assembleia-Geral da Organização Mundial do Turismo (OMT) foram outros acontecimentos marcantes.

JL/JMV/CP

Inforpress/Fim