Professores do básico e secundário aprendem sobre como criar o gosto pela leitura nas crianças e jovens

 

Cidade da Praia, 11 Abr (Inforpress) – Cerca de cinco dezenas de professores dos ensinos básico e secundário da ilha de Santiago estão reunidos na Praia num ateliê para inteirarem-se das formas de criar o gosto e interesse pela leitura nas crianças e jovens.

O ateliê de formação em “animação para a leitura”, que decorre até 13 de Abril, é promovido pelo Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas, através da Biblioteca Nacional, em parceria com a Cooperação Portuguesa – Instituto Camões, o Ministério da Educação e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Em declarações à imprensa na abertura do evento, a directora da Biblioteca Nacional, Fátima Fernandes, referiu que a formação é dirigida, preferencialmente, aos professores dos dois últimos anos do ensino básico e dos dois primeiros anos do secundário, com a finalidade de capacitá-los para a utilização de dinâmicas e estratégicas que mobilizem os alunos no gosto pela leitura.

“A nossa finalidade é criar o gosto e o interesse pela leitura nas crianças e jovens, visto que no processo de aprendizagem, estamos a querer reforçar em alguns sectores a falta ou a lacuna que existe no tratamento dos livros e das histórias infanto-juvenis”, explicou Fátima Fernandes.

Quanto às críticas que muitas vezes se faz de que as novas tecnologias é um “inimigo” do livro, a directora do Biblioteca Nacional é categórica em afirmar que tal é “um mito e uma falsa verdade”, já que o mundo tecnológico está “completamente adaptado ao livro”, através de livros digitais e histórias lidas.

“Estes é um dos aspectos que queremos esclarecer com esta formação, porque o livro é um elemento clássico que faz parte da criança, desde tenra idade, e queremos recuperar esta componente para que as pessoas entendam que as novas tecnologias não são inimigas do livro”, reiterou.

Por sua vez, a formadora Ana Sofia Paiva notou que a formação irá basear-se na importância da oralidade e na importância do estímulo pela leitura na primeira infância, algo que pode ser feito através da sensibilização para mostrar que o processo de formar um autor autónomo começa desde que uma pessoa é ainda bebé.

Ateliê semelhante acontece em São Vicente entres os dias 17 e 21 de Abril na delegação da Biblioteca do Mindelo.

DR/CP

Inforpress/Fim