Produto Interno Bruto cresceu 3,9% em volume durante o ano de 2016

Cidade da Praia, 31 Mar (Inforpress) – A taxa da variação acumulada dos quatro trimestres de 2016 aponta para um crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,9%, comprando como o ano 2015, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com os resultados apresentados em conferência de imprensa, pelo técnico do INE na PraianJosé Fernandes, no acumulado dos quatro trimestres de 2015 e 2016, o crescimento do PIB é “bem evidente”, com destaque para o ramo da indústria transformadora, que passou de 1,4% para 9,7%.

As áreas da agricultura, que passou de 2,8% para 7,3%, de serviços financeiros e seguros, que passou de 4,1% para 9,8%, e da administração pública, que pulou de 2,5% para 8,5%, também registaram um “aumento significativo”, conforme o INE.

Por outro lado, as Contas Nacionais Trimestrais mostraram que a taxa de variação homóloga do PIB passou de 2,2% no quatro trimestre de 2015 para 4,6% no mesmo período de 2016, sendo que esta evolução se deve, sobretudo, ao crescimento registado nas actividades de agricultura, transformadora, alojamento e restauração e administração pública.

Os resultados das Contas Nacionais Trimestrais revelaram, ainda, que as contribuições negativas “mais significativas” foram registadas nas actividades de telecomunicações (-0,3%), da pesca (-0,6%) e da construção (-1,5%).

“A contas trimestrais dá-nos apenas uma indicação da evolução da economia e esses dados podem ser revistas, de acordo com a política das contas trimestrais, porque temos as contas nacionais definitivas que têm informações mais detalhadas que vão ser introduzidas para análise, posteriormente”, esclareceu o técnico.

Em relação ao facto de ter aumentado o PIB, assim como a taxa de desemprego, a explicação é que o principal indicador em que se pode comparar em termos de crescimento de economia e indicadores de emprego e mercado de trabalho não é a taxa de desemprego, mas sim a taxa de ocupação.

Ou seja, que com o melhoramento da economia, houve um aumento da taxa de ocupação que passou de 51%, em 2015 ,para 54% ,em 2016, representando a capacidade do país em empregar a sua mão-de-obra.

DR/JMV

Inforpress/Fim