Presidente do PAICV considera que a integração dos imigrantes deve ser vista de forma ampla

Cidade da Praia, 16 Mai (Inforpress) – A presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, (PAICV) disse hoje que a integração dos imigrantes deve ser abordada de forma ampla e ver como é que o país pode ganhar e oferecer para estimular essa integração.

Janira Hopffer Almada, que se reuniu esta tarde, com o corpo diplomático do Senegal, para socialização da proposta do projecto de lei que visa estabelecer um processo especial de regularização dos cidadãos da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), disse que é necessário que haja condições para uma boa integração.

Para a líder do PAICV, a CEDEAO é um grande potencial que pode ser optimizado e aproveitado, mas para tal, defende que a integração deve ser vista de uma forma ampla, ver como é que o país pode beneficiar com essa inclusão e o que pode oferecer para estimular essa integração.

Questionado pela forma como os imigrantes africanos são tratados em Cabo Verde, Janira Hopffer Almada, afirmou que a questão deve ser analisada do ponto de vista legal e do ponto de vista pedagógico, sendo que é preciso sensibilizar os cabo-verdianos no sentido de “tratarem bem aqueles que procuram o nosso país e contribuem para o seu desenvolvimento tal como os emigrantes cabo-verdianos são tratados lá fora”.

Segundo a líder do PAICV, um dos desafios da comunidade senegalesa tem a ver com a dificuldade na obtenção de autorização de residência, mesmo para os cidadãos que residem e trabalham há vários anos em Cabo Verde, que têm prestado o seu contributo e estão integrados na sociedade cabo-verdiana.

“Nos entendemos que temos de ter uma perspectiva gradualista nesse processo de regularização proposto pelo grupo parlamentar do PAICV sendo que é um dos principais problemas com que os imigrantes da comunidade africana enfrentam”, sublinhou.

Janira Hopffer Almada assegurou que a proposta vai ser socializada ainda com associações e organizações africanas antes de ser submetida à casa parlamentar.

AV/FP

Inforpress/Fim