Praienses marcharam este sábado pelo clima e em prol de um meio ambiente mais seguro e justo

Cidade da Praia, 08 Set (Inforpress) – Cerca de uma centena de pessoas participaram hoje numa marcha cívica pelo clima, trabalho e justiça social, em prol de um meio ambiente mais seguro e justo.

Promovida pela organização cívica “350 Cabo Verde”, a marcha começou no Liceu Domingos Ramos, no Platô, seguindo-se pela Rua Pedonal até à Praça Alexandre Albuquerque, onde os participantes se pousaram para a foto de um cordão humano para partilhar a nível mundial.

O programa do evento incluía, no final da marcha, um pequeno concerto com a cantora Lúcia Cardoso ao qual se seguiram sessões de palestras curtas animadas por especialistas em questões ambientais.

Este evento é realizado anualmente a nível mundial pela Organização Não-Governamental (ONG) 350.org, com o propósito de chamar a atenção dos decisores e a população em geral, para as questões ambientais, como mudanças climáticas, lixo, poluição atmosférica e da água.

Cabo Verde adere pela primeira vez à iniciativa que nasceu em 2008 no seio de um grupo de estudantes universitários que se juntaram ao autor Bill McKibben, autor do primeiro livro sobre aquecimento global, tendo a participação do arquipélago sido garantida com a realização, este sábado, de uma marcha cívica na Cidade da Praia (ilha de Santiago) e em Sal-Rei, na Boa Vista.

Em declarações à Inforpress, Débora Carvalho, representante da organização “350 Cabo Verde”, adiantou que esta marcha decorre simultaneamente em mais 850 cidades mundiais em cerca de 100 países, para demonstrar que o problema de mudanças climáticas não pode ser resolvido de forma isolada.

Conforme observou, no caso de Cabo Verde, o país tem, por exemplo, um problema “estrutural” com o lixo e há necessidade de um trabalho conjunto para melhorar essa situação.

“Por isso, com esta marcha quisemos chamar a atenção para as pessoas que a nossa atitude perante o lixo está a prejudicar o ambiente”, explicou Débora Carvalho, apontando o resíduo plástico como o maior prejudicador do ecossistema cabo-verdiano.

Entretanto, observou ainda que além de integrar a “onda mundial” à volta desta problemática, o objectivo da marcha visa também “alertar as pessoas do impacto que as coisas que consumimos podem repercutir no nosso meio ambiente”.

Débora Carvalho, esclareceu, por outro lado, que “350 Cabo Verde” é um movimento de iniciativa civil que conta com a participação de pessoas de várias organizações da sociedade civil, líderes comunitários, o cidadão comum e professores.

A Marcha 350 pelo Clima este ano antecede a Cúpula Global de Acção Climática, organizada pelo Governador da Califórnia, que ocorre de 12 a 14 de Setembro.

OM/FP

Inforpress/Fim