Praia: Autarquia quer evolver 10 mil pessoas na 10ª edição da Corrida da Liberdade

 

Cidade da Praia, 02 Dez (Inforpress) – A Câmara Municipal da Praia quer envolver 10 mil pessoas na 10ª edição da Corrida da Liberdade, que acontece no dia 13 Janeiro de 2018, por ocasião da comemoração do Dia da Liberdade e Democracia.

A informação foi avançada hoje à imprensa, pela directora de Desporto, Zuleica Semedo, durante a primeira corrida de localidades, organizado hoje pelo Pelouro da Juventude e Desporto, em parceria com as associações comunitárias e associações de atletismo de Santiago Sul, na localidade de Safende.

Segundo esta responsável, a 10ª edição da Corrida da Liberdade conta com provas novas, como a corrida jovem, destinada as escolas secundárias e a meia-maratona de 21 quilómetros.

A expectativa para essa edição, para Zuleica Semedo é “grande”, pois, estão a contar com o apoio de dois técnicos de Portugal no processo de preparação, uma vez que, a ideia é fazer com que a Corrida da Liberdade, não seja só uma corrida com atletas nacionais, mas sim que passa a contar com participação de atletas internacionais.

Em relação à corrida de localidade, explicou que esta visa massificar a modalidade de atletismo nos bairros e também preparar para a grande prova de atletismo que acontece no dia 13 de Janeiro.

“Queremos ter mais pessoas nessa modalidade, quer seja criança, jovem ou adulto e, para isso, temos estado a leva-la a diversas comunidades. Essa semana foi Safende, na próxima semana será a vez do bairro de Achadinha e depois em do Platô e sucessivamente vamos percorrer todos os bairros da Praia”, disse.

Por sua vez, Invanildo Tavares, membro da associação comunitária Amigos de Safende, que participa nesta corrida, “que não tem vencedores”, disse que este tipo de evento serve para mostrar que a sua localidade não tem só violência, prostituição e droga, mas que há muitos jovens que praticam o desporto.

Para Invanildo Tavares, o deporto cria laços, promove uma melhor convivência entre os jovens de diferentes bairros e ainda aproxima muitos grupos rivais, por isso, apela as comunidades a envolverem-se mais em actividades do tipo.

AM/CP

Inforpress/Fim