PR pede solução para o problema da demora na emissão de passaportes

Cidade da Praia, 29 Mar (Inforpress) – O Presidente da República (PR), Jorge Carlos Fonseca, pede solução para o problema da demora na emissão de passaportes, que conforme adiantou não é de agora.

O chefe de Estado, que regressou segunda-feira ao país de uma deslocação à Portugal e Espanha, onde teve a oportunidade de se reunir com as comunidades cabo-verdianas ali residentes, disse ter sido confrontado com essa queixa recorrente.

“A demora na emissão de passaporte é uma queixa recorrente dos nossos concidadãos no estrangeiro. Em todo o lado, somos confrontados com o problema que, aliás, não é de agora. Falam em meses, amiúde em um, dois anos. E isso continua com o passaporte biométrico”, avançou.

Jorge Carlos Fonseca frisou que tem havido sucessivas promessas de rápida resolução, mas que até hoje não foram concretizadas. Por isso, sugere que as autoridades têm de encontrar um “remédio”, procurando detectar o onde, o como e o porquê das falhas.

“Somos um país de emigração com cidadãos espalhados pelos quatro cantos do mundo. A demora irrazoável na emissão de passaporte (e outros documentos) pode causar e causa prejuízos imensos e, por vezes, irreparáveis e dramáticos, às nossas gentes, inclusivamente a perda de oportunidades de emprego, a caída em situação de ilegalidade ou até a expulsão”, anotou.

“Temos de encontrar soluções! Reavaliar e corrigir os mecanismos e procedimentos existentes, se necessário, mas encontrar soluções atempadas, adequadas e justas. Irei contacar o Governo para o efeito reiterando o que tenho advogado a esse respeito”, escreveu Jorge Carlos Fonseca na sua página pessoal na rede social Facebook.

Jorge Carlos Fonseca esteve de 21 a 27 entre Portugal e Espanha, onde visitou as comunidades cabo-verdiana e reunido com as autoridades locais.

Em Portugal, e respondendo a um pedido do homenageado, o Presidente da República participou no encerramento do Colóquio Internacional Professor Manuel Sérgio, visitou o Bairro da Cova da Moura para contactos com a população.

Na agenda do Presidente da República esteve igualmente uma visita aos doentes evacuados cabo-verdianos que prosseguem tratamento médico em Portugal, e que residem em três pensões, no centro de Lisboa.

Em Espanha, manteve contactos com  comunidade cabo-verdiana residente na Região Autónoma da Galiza, no Noroeste deste país e mais concretamente a comunidade residente em  Burela constituída na sua maior parte por famílias de pescadores originários da Ilha de Santiago, instaladas na região há mais de 30 anos.

MJB/CP

Inforpress/Fim