Porto Novo/São João: Governo e autarquia admitem avançar com candidatura a património imaterial da UNESCO 

Porto Novo, 22 Jun (Inforpress) – A internacionalização das festas de São João, que passará pela candidatura da manifestação cultural a património da UNESCO, está nos planos do Governo e da edilidade portonovense, que admitem avançar, nos próximos anos, com o processo.

O Ministério da Cultura e das Industrias Criativas (MCIC) pretende, em parceria com os municípios, onde se celebram as festas de São João, património cultural imaterial nacional desde Novembro de 2017, desencadear o processo visando apresentar, nos próximos anos, a candidatura destas festividades a património da humanidade.

Durante uma conferência sobre os desafios da salvaguarda das festas de São João, realizada esta semana no Porto Novo, ficou igualmente o desejo de se avançar, futuramente, com o processo que incluirá as festas celebradas tanto em Cabo Verde (Porto Novo, Brava e São Nicolau), como também em Portugal.

Numa recente visita a Santo Antão, o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, avançou que, de facto, o “objectivo maior” do Governo é colocar as festas de São João como património cultural imaterial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

A  Câmara Municipal do Porto Novo acredita também que, pela consistência do processo que levou a classificação, em finais do ano passado, desta manifestação cultural a património imaterial nacional, é possível avançar “num futuro próximo” com a candidatura, uma vez que já “existe vontade política” sobre esta matéria.

O São João é Celebrado em Cabo Verde desde o século XVII, com a chegada da imagem do santo ao arquipélago, proveniente de Portugal.

No Porto Novo, festeja-se o São João muito antes da criação da paróquia de São João Batista, em 1898, altura em que este concelho já tinha cinco mil romeiros e 300 tamboreiros, que asseguravam essas festas.

JM/AA

Inforpress/Fim