Porto Novo: Mais de 400 famílias agrícolas com água para irrigação a preço reduzido

Porto Novo, 28 Ago (Inforpress) – Boas perspectivas se abrem para agricultura de regadio no Porto Novo, Santo Antão, graças aos projectos, alguns dos quais já na fase de conclusão, visando equipar os furos existentes neste concelho com sistemas fotovoltaicos para produção de água.

Mais de 400 famílias agrícolas vão beneficiar dos projectos, financiados pelo Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA), que vão permitir, nos próximos três a quatro meses, dotar todos os furos de painéis solares, permitindo reduzir, drasticamente, o custo de água para agricultura.

Em Ribeira dos Bodes, um do vales abrangidos pelos projectos, que se enquadram nos programas de promoção das oportunidades socio-económicas rurais (Poser) e de mitigação da seca, cerca de duas dezenas de famílias passam, ainda esta semana, a dispor de água mais barata para rega.

Para os agricultores locais, o equipamento do furo, que fica na zona de Poio, com sistema fotovoltaico, cuja inauguração acontece, sexta-feira, trará “um novo fôlego” à actividade agrícola nessa zona, onde alguns lavradores estavam a abandonar as suas parcelas devido ao custo elevado de água.

Também, em Ribeira Fria, outros tantos agricultores passam, dentro de dias, a ter à sua disposição água a preço baixo, segundo o delegado do MAA no Porto Novo, Joel Barros.

Em Chã de Norte, outra localidade abrangida com o programa, o líder associativo, Ivanildo Dias, enaltece a satisfação dos cerca de 50 agricultores locais que, “em breve”, voltam a usufruir de água a um custo baixo.

As intervenções nesse furo já estão em curso, prevendo-se, “em pouco tempo”, a conclusão dos trabalhos, segundo este responsável.

Segundo o delegado do MAA, também, em Jorge Luís está, “para breve”, a inauguração do sistema fotovoltaico no furo dessa zona.

Em Ponte Sul/Chã de Mato, o lançamento do projecto acontece a 01 de Setembro.

Martiene e Ribeira da Cruz são outras zonas agrícolas abrangidas pelos projectos que, além da redução do custo de água, vão permitir, igualmente, o aumento da área agrícola de regadio no Porto Novo.

JM/JMV

Inforpress/Fim