Inicio Destaques Porto Novo: Governo apoia edilidade no levantamento das necessidades em matéria de...

Porto Novo: Governo apoia edilidade no levantamento das necessidades em matéria de habitação social

Porto Novo, 13 Mar (Inforpress) – Um técnico do Ministério das Infra-estruturas, Ordenamento do Território e Habitação, chega, esta segunda-feira, a Porto Novo, para apoiar a edilidade no levantamento das necessidades do município sobre habitação social, tanto a nível de construção como de reabilitação.

Segundo a edilidade porto-novense, durante a semana, esse técnico vai trabalhar com o pelouro ligado à habitação social e com os técnicos da Câmara Municipal do Porto Novo na inventariação das carências em matéria de habitação social, com vista à adopção de um programa de intervenção, no município.

A vereadora responsável pelo pelouro de Acção Social, Joana Delgado, disse ter constatado que, nas audiências com os munícipes, a habitação social (construção e reabilitação) é a maior preocupação dos porto-novenses, juntamente com o desemprego, pelo que encara, “com muita esperança”, a vinda desse técnica e o interesse demonstrado pelo Governo em ajudar Porto Novo a atenuar as necessidades existentes, nessa área.

Para este ano de 2017, o Governo vai disponibilizar cerca de 35 mil contos para apoiar o município do Porto Novo na reabilitação e construção de habitações.

Além disso, a edilidade espera investir, com recursos próprios, na melhoria habitacional, prevendo, para o efeito, disponibilizar, ao longo deste ano, cerca de 15 mil contos.

Embora nao existam dados concretos sobre o défice habitacional no Porto Novo, estima-se em mais de 300 as famílias que precisam de uma habitação condigna neste concelho.

A edilidade, segundo a vereadora, tem a consciência de que está-se perante um problema bicudo, que urge atacar.

“Isdobe compô bô casa” (ajuda-te a arranjar a sua casa) é nome de um programa que a Câmara Municipal do Porto Novo pretende adoptar nos próximos quatro anos, no âmbito do qual espera reabilitar entre 800 a mil casas degradadas.

JM/CP

Inforpress/Fim