Porto Novo: Edilidade prossegue “ofensiva diplomática” para relançar indústria cimenteira em Santo Antão

 

Porto Novo, 17 Nov (Inforpress) – A edilidade porto-novense prossegue com a sua “ofensiva diplomática” com vista a encontrar um parceiro estratégico para redinamizar a indústria das pozolanas no concelho do Porto Novo, Santo Antão, que estão paralisadas há quatro anos.

O presidente da Câmara Municipal do Porto Novo, Aníbal Fonseca, aproveitou a estada, esta quinta-feira, em Santo Antão, de um grupo de embaixadores dos países da União Europeia (UE) acreditados em Cabo Verde para abordar a situação da fábrica de cimento pozolânico e da necessidade do relançamento dessa indústria cimenteira, tendo em conta a sua importância para a economia local.

Os diplomatas, que se faziam ainda acompanhar dos ministros dos Negocias Estrangeiros e das Infra-estruturas, bem como da embaixadora da UE em Cabo Verde, integraram uma missão a Santo Antão para conhecerem a lha e se inteirarem das obras realizadas no quadro do programa de recuperação, financiadas pela UE.

Numa paragem nas imediações da cimenteira, na zona de Fundão, a cinco quilómetros da cidade do Porto Novo, o edil porto-novense falou da situação da cimenteira, encerrada em Junho de 2013, por alegada dificuldades do mercado, e das acções que a sua autarquia e o Governo têm estado a desenvolver para encontrar um parceiro estratégico para essa indústria.

O ministro da Economia e Emprego, José Gonçalves, durante uma visita a Santo Antão, em finais de Setembro, abordou a situação dessa fábrica com os responsáveis locais e solicitou um dossiê sobre essa indústria.

José Gonçalves pretende trabalhar, conjuntamente, com o executivo camarário, para encontrar um parceiro estratégico para o incremento da indústria cimenteira em Santo Antão.

No quadro da estratégia da promoção do município do Porto Novo, os responsáveis municipais têm vindo a abordar potenciais investidores europeus e asiático, estando em preparação uma missão empresarial turca a Santo Antão para identificar oportunidades de investimentos, com as indústrias cimenteiras no centro das atenções.

A visita dos investidores turcos a Santo Antão, prevista para ainda este ano, ficou acordada em Abril, durante uma visita à ilha da embaixadora da Turquia em Cabo Verde, residente em Dakar, que discutiu com os municípios santantonenses as áreas de cooperação e de investimentos, nesta região.

A fábrica de cimento pozolânico, instalada em 2005, por um grupo de investidores italianos, num investimento à volta de 500 mil contos, foi encerrada em Junho de 2013, por alegada dificuldades do mercado.

As pozolanas do Porto Novo, cujas jazidas são estimadas em cerca de seis milhões de toneladas, são de “boa qualidade”, segundo estudos já efectuados sobre esse recurso natural, que já foi muito utilizado na construção de infra-estruturas portuárias e hidráulicas em Cabo Verde e no estrangeiro.

Os responsáveis municipais acreditam que, pela qualidade das pozolanas, é possível viabilizar essa cimenteira, pelo que, conjuntamente com o Governo, espera encontrar um parceiro que permita potenciar esta industria e dinamizar a economia local.

JM/JMV

Inforpress/Fim