Porto Novo: Edilidade desafia Governo a reclassificar estradas que colocam “grandes desafios” à autarquia

Porto Novo, 24 Jul (Inforpress) – A edilidade porto-novense propôs ao Governo que proceda à reclassificação das estradas existentes no município do Porto Novo, Santo Antão, que estão a colocar “grandes desafios” à autarquia, sobretudo a nível da manutenção, devido aos parcos recursos existentes.

O presidente da câmara, Aníbal Fonseca, aproveitou a presença, neste concelho, nos últimos dias, da ministra das Infra-estruturas, Eunice Silva, para pedir ao Governo a reclassificação da rede de estradas no Porto Novo, por forma a libertar o município dos “elevados encargos” com a manutenção periódica das chamadas vias municipais.

É o caso da estrada Campo Redondo/Planalto Norte/Chã de Norte, com uma extensão de mais de 30 quilómetros, cuja reparação tem criado sérias dificuldades à autarquia, alertou o autarca, informando que a câmara “não tem condições” para fazer a manutenção desse troço de estrada, por dificuldades financeiras.

Por isso, adianta Aníbal Fonseca, “é de maior importância” a reclassificação das estradas neste concelho, que colocam “enormes desafios” à câmara municipal que, ainda assim, tem contado com a parceria do Governo, através do fundo rodoviário.

No quadro do fundo rodoviário, o Instituto de Estradas vai disponibilizar, nos próximos seis meses, cinco mil contos para a manutenção das estradas municipais no Porto Novo, segundo um contrato-programa assinado, recentemente.

As populações têm, insistentemente, reclamado das más condições de circulação nas estradas municipais neste concelho que, também, no quadro do plano de mitigação da seca, têm estado a receber intervenções.

Entretanto, segundo o primeiro-ministro, Porto Novo, no âmbito do programa de requalificação e acessibilidade, vai ser contemplado, nos próximos dois anos, com 117 mil contos para a construção da estrada de acesso à Chã de Branquinho, melhoria da estrada que liga Ribeira da Cruz à Martiene, além de intervenções na recuperação de casas degradadas.

JM/CP

Inforpress/Fim