Porto Novo: Edil diz-se “focado” na construção de um Porto Novo inclusivo e sem discriminação

Porto Novo, 02 Set (Inforpress) – O presidente da câmara do Porto Novo, Aníbal Fonseca, disse hoje estar “focado” na construção de “um município inclusivo e sem descriminação”, assegurando que estão a ser dados “passos significativos” para o desenvolvimento sustentado deste concelho.

Aníbal Fonseca, que falava na sessão solene da Assembleia Municipal do Porto Novo, que marcou o Dia do Município, disse estar a materializar os “compromissos” assumidos com os porto-novenses em 2016, quando foi eleito para o cargo, acreditando que está a realizar “os sonhos dos municípios” de ter uma vida melhor.

O autarca referiu-se, também, a “grandes obras em perspectiva” neste município que, a seu ver, vão potenciar o desenvolvimento local, augurando “dias melhores” para Porto Novo,  com a implementação de projectos, como a rede de esgotos, a melhoria da rede de distribuição, o aeroporto, a construção de estradas de penetração, entre outros.

Em todo o caso, Porto Novo enfrenta “constrangimentos diversos” que têm condicionado o seu processo de desenvolvimento, avisou o edil, que destacou como sendo “um dos principais problemas”  o endividamento do município.

Sem especificar o valor da dívida, o autarca informou que Porto Novo é, actualmente, um município “altamente endividado”, situação que resulta de “intervenções” da edilidade para financiar infra-estruturação do concelho, com recurso à banca.

São os casos do edifício de Paços do Concelho e do Estádio Municipal, que representam mais de 60 por cento (%) da dívida municipal, limitando, assim, a capacidade da autarquia em realizar projectos s que visam a melhoria das condições de vida das populações.

Uma outra situação que tem levado ao endividamento do município do Porto Novo prende-se com o abastecimento de água à cidade, com recurso à água dessalinizada.

“O sistema é altamente deficitário, apresentando um défice tarifário de longo data e com perdas técnicas elevadas”, avançou Aníbal Fonseca,  para quem trata-se de “constrangimentos”  que criam “problemas de sustentabilidade” à empresa de produção de água e ao próprio sistema.

São “constrangimentos” que, segundo Fonseca, condicionam o processo de desenvolvimento  do concelho do Porto Novo  e o próprio funcionamento da câmara, que é “bastante carente e com dificuldades financeiros graves”.

“Em todo o caso, estamos a cumprir os compromissos assumidos com os munícipes e estamos a materializar os sonhos dos porto-novenses, levando felicidades às pessoas”, notou.

A sessão solene da Assembleia Municipal do Porto Novo contou com a presença do vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, que informou que o Governo está “atento aos desafios” que se coloca, actualmente, a Porto novo, designadamente em relação ao endividamento e à sustentabilidade do sistema de abastecimento de água dessalinizada.

“Juntos podemos encontrar uma solução para essas questões”, sublinhou Olavo Correia, que hoje terminou uma visita de três dias a Porto Novo no quadro das comemorações do Dia do Município, que se assinala este domingo.

A partir de 1992, por deliberação da Assembleia Municipal do Porto Novo, o Dia do Município, antes assinalado a 24 de Junho, passou a ser celebrado a 02 de Setembro, decisão baseada, precisamente, no facto deste concelho ter sido criado neste dia, em 1962.

JM/CP
Inforpress/Fim