Porto Novo: Cooperativa dos produtores de queijo da montanha inicia produção de ração em Janeiro

 

Porto Novo, 14 Dez (Inforpress) – A cooperativa dos produtores de queijo da montanha, no Planalto Norte do Porto Novo, Santo Antão, inicia, a partir de Janeiro, a produção de ração animal, que será comercializada a um custo baixo, em todo este concelho.

Conforme o presidente da cooperativa dos produtores de queijo da montanha, Irineu da Luz, graças à cooperação com o governo de Piemonte, Itália, essa cooperativa adquiriu uma unidade de produção de ração, que já esta instalada no centro pecuário, na cidade do Porto Novo, começando a funcionar em Janeiro.

Essa unidade, segundo este responsável, vai produzir ração com recurso a bagaço de cana sacarina e folha de bananeira, que será comercializada a um custo acessível em todo o concelho do Porto Novo, contribuindo assim para o salvamento do efectivo pecuário local.

Os criadores de gado do Porto Novo, por causa da seca, estão com sérias dificuldades para salvar os seus animais, mas o Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) promete, ainda este semana, iniciar a distribuição dos vales-cheques, que permitirão aos pastores adquirirem ração a um custo baixo, no âmbito do programa de emergência de salvamento do gado.

O governo de Piemonte tem sido “um excelente parceiro” dos produtores do queijo tradicional do Planalto Norte do Porto Novo, no quadro de uma parceria existente desde 2002, segundo Irineu da Luz.

Graças à essa parceria, os criadores de gado do Planalto Norte têm beneficiado de vários projectos, sobretudo a nível de formação e melhoria das condições de produção do queijo tradicional, premiado em Setembro, em Itália, com o galardão “Slow Cheese Award”.

Existem cerca de 20 produtores de queijo no Planalto Norte do Porto Novouma zona semi-árida, onde o efectivo pecuário, estimado em sete mil cabeças de cabras, garante sustento a mais de 60 famílias.

Para 2018, o governo de Piemonte e a fundação Slow Food, que, em 2007, atribuiu ao queijo desse planalto a chancela de património mundial do gosto, vão financiar mais dois projectos à cooperativa, visando a melhoria da produção do queijo.

Trata-se da instalação de um serviço de tratamento veterinário dos animais para diagnóstico e tratamento do efectivo pecuário e o financiamento de 30 grelhas para a ordenha dos animais.

JM/CP

Inforpress/Fim