Porto Novo: Agricultores de Ponte Sul/Chã de Mato “determinados” em manter perímetro agrícola livre dos mil-pés

Porto Novo, 09 Set (Inforpress) – Os 40 agricultores de Ponte Sul/Chã de Mato, no Porto Novo, Santo Antão, estão “determinados” em manter esse perímetro agrícola, estimado em 50 hectares, livre das pragas, designadamente dos mil-pés, conforme o representante dos lavradores.

Augusto Fortes, presidente da Associação dos Agricultores de Ponte Sul/Chã de Mato, perímetro agrícola criado, nos últimos anos, no âmbito da reconversão das frentes de trabalho no município do Porto Novo, informou que tem sido “uma preocupação constante” dos lavradores em impedir que mil-pés cheguem à essa zona, onde a agricultura está a ter “resultados muito bons”.

Ponte Sul/Chã de Mato é uma das poucas localidades no concelho do Porto Novo ainda livre dos mil-pés (illacme plenipes), praga daninha que terá chegado a Santo Antão nos anos 70, proveniente da Europa, que destrói, preferencialmente, os tubérculos.

Por causa desta praga, os produtos agrícolas de Santo Antão estão sujeitos a um embargo desde 1984.

O delegado do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) no Porto Novo, Joel barros, aproveitou a visita do vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, recentemente a Porto Novo, para reforçar o apelo no sentido de se avançar com o levantamento parcial do embargo, por forma a permitir a livre circulação no mercado nacional dos excedentes provenientes das zonas ainda não afectadas pela praga dos por mil-pés.

É o caso de, além de Ponte Sul/Chã de Mato, também de Martiene, Chã de Norte, Tarrafal de Monte Trigo e Chã de Branquinho, todos no concelho do Porto Novo.

“É uma questão que está a ser analisada. Temos que discutir soluções várias, porque a ilha não pode ficar prejudicada, mas tempos que repensar o impacto. Estamos a trabalhar para que isso aconteça”, avançou, na ocasião o governante.

JM/FP

Inforpress/Fim