Cidade da Praia, 19 Mar (Inforpress)  - O Governo afirmou hoje o seu “compromisso de continuar a apoiar a associação Laço Branco” e alerta a sociedade para estar atenta à questão da dualidade mulher/homem e dos paradigmas que se diferenciem em função do género.

Esta manifestação foi revelada aos membros desta rede pela ministra da Educação e ministra da Família e Inclusão Social, Maritza Rosabal, durante a cerimónia de encerramento da assembleia-geral electiva que conduziu Clóvis Silva na presidência desta associação, “empenhada na promoção da igualdade de género”.

A ministra disse que em Cabo Verde existe actualmente um “certo paradigma feminino” que, a seu ver, parece contrapor a um outro paradigma masculino, com o argumento que as mulheres que se sentem realizadas socialmente, face a conhecimentos académicos encontrem um paradigma masculino.

“Esta é uma questão que temos de estar atento, sobretudo quem age nesta área, para podermos agir”, especifica a governante, para quem tem acontecido mudanças substanciais de abordagem de alguns problemas na geração mais jovem, pelo que entende ser necessário uma nova reflexão, de forma frequente para estar atento aos novos acontecimentos.

Considera Rosabal  que o teatro pode aproveitado para ajudar as pessoas a reflectir, enquanto uma arte que chama atenção e que pode ser utilizado como um instrumento ideal para a discussão de algumas questão que não são debatidas, por causa de um certo pânico moral como a sexualidade, das primeiras relações, a homofobia, de forma a aprofundar a relação entre qualquer tipo de violência exteriorizado  do género.

A governante assevera que deve-se aproveitar toda a sensibilidade para capitalizar e valorizar o impacto social da organização.

Clóvis Silva, recorde-se, foi esta tarde eleito o novo presidente da “Rede de Homens pelo fim da violência baseada no género - Laço Branco” durante a 2ª assembleia-geral realizada na cidade da Praia que ditou a renovação dos seus órgãos.

Clóvis Silva avançou a Inforpress tratar-se de um enorme desafio para este mandato de dois anos, porquanto a sua equipa tem o papel de “manter a fasquia que está bastante elevada”, já que a rede é vista pelas entidades financiadoras como uma oportunidade de trabalhar a masculinidade em Cabo Verde para prevenir a violência baseada no género (VBG).

SR

Inforpress/Fim

estatuto

Assinaturas Inforpress

paywall4

01Notícias Relevantes Fique sempre informado sobre os principais acontecimentos de Cabo Verde e do Mundo.

02Informação de Qualidade Produzimos informação com independência, rigor e qualidade.

03Diversidade de Cobertura Pomos à disposição do público informação actualizada sobre os mais variados aspectos.