Passageiros descontentes com Cabo Verde Airlines porque suas bagagens ficaram retidas uma semana no Sal

Cidade da Praia, 14 Ago (Inforpress) – Mais de duas dezenas de passageiros que viajaram com Cabo Verde Airlines no percurso Lisboa/Sal manifestaram-se hoje descontentes devido à demora da chegada das suas bagagens que ficaram retidas na ilha do Sal durante uma semana.

A denúncia partiu de uma dos passageiros que se identificou à Inforpress com o nome de  passageira Gertrudes, informando que viajou com os TACV no percurso Lisboa/Sal, a 05 de Agosto, mas a sua bagagem ficou retida durante uma semana na ilha Sal, porque a Binter recusou traze-las para a Cidade da Praia.

“Chegamos no dia 05 de Agosto e eu, assim como muitas outras pessoas que estavam nesse voo, não conseguimos que as nossas bagagens viessem connosco, pois, a Binter só carregava um volume de 20 kilos alegando não ter qualquer responsabilidade quanto aos excessos”, disse.

Segundo Gertrudes, foi uma situação difícil porque havia também vários passageiros que vinham dos Estados Unidos e todos eles ficaram uma semana sem bagagem porque a companhia aérea em que viajaram não “cumpriu” com a transferência das bagagens da ilha do Sal para Praia.

Gertrudes disse à Inforpress que desde o dia 05 tem batido em várias portas, assim como os outros passageiros cuja bagagem ficou na ilha do Sal, tentando saber quem iria responsabilizar-se com a transferência das malas para Cidade da Praia, mas ninguém da Cabo Verde Airlines foi capaz de lhes prestar essa informação.

Segundo ela, só no sábado, 12, é que recebeu uma chamada a avisar que a sua bagagem chegava naquela noite e que tinha de ir buscar ao porto da Praia, pois, a TACV só conseguiu enviar as bagagens por via marítima.

“Uma das minhas malas, tinha coisas que deveriam estar no frio, ficaram danificadas, assim como as minhas roupas”, disse Gertrudes que se considerou desrespeitada e por isso decidiu avançar com uma queixa e que espera ter resposta o quanto antes, porque nem no aeroporto da Praia o pessoal da Handling a quem se dirigiu para fazer reclamação, quis tomar nota do acontecido, alegando não terem qualquer responsabilidade.

Na mesma situação estiveram vários emigrantes dos Estados Unidos da América, de França e Portugal que viajaram nesse voo da Cabo Verde Airlines (TACV) do dia 05.

Uma outra situação que tem constrangido os passageiros provenientes de Lisboa com destino à Cidade da Praia, nos voos da Cabo Verde Airlines (TACV), é o facto de ficarem retidos por três ou mais dias na ilha do Sal sem conseguirem ligação directa ao destino último.

Entretanto, a Inforpress contactou um responsável da Cabo Verde Airlines (TACV) na ilha do Sal para falar sobre o assunto, mas este alegou não estar autorizado a falar e remeteu o jornalista para contactar o director comercial, Raul Andrade, o que foi de todo impossível, porquanto, o mesmo encontra-se ausente do país.

PC/FP

Infropress/Fim