PAICV adere ao “apelo global para uma sociedade mundial sustentável, antes que seja tarde”

Cidade da Praia, 03 Dez (Inforpress) – O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV- oposição) aderiu ao “apelo global para uma sociedade mundial sustentável, antes que seja tarde”, lançado pela maior família política progressista global, a Internacional Socialista

Em nota enviada à redacção da Inforpress, o PAICV diz que nas vésperas da realização da próxima Conferência do Clima da ONU (COP24), que terá lugar no início deste mês, os líderes da maior família política progressista global, a Internacional Socialista, organização à qual o PAICV, lançaram um apelo, visando o incremento da cooperação multilateral face a um desafio crucial para a humanidade e desenvolver uma acção, muito mais intensa, a todos os níveis.

Aliás, lê-se na mesma nota que em matéria de luta contra as consequências profundas e transversais a várias áreas da sociedade (económica, social e ambiental) originadas pelas mudanças climáticas, a maior ameaça ambiental do século XXI, a Internacional Socialista, através da sua Comissão para uma Sociedade Mundial Sustentável, definiu políticas necessárias, tais como um imposto global sobre a emissão de CO2 e sobre outros gases de efeito de estufa.

“É que é dado assente que no cerne destas mudanças estão os chamados gases de efeito estufa, cujas emissões têm sofrido um aumento acentuado. O CO2 (dióxido de carbono) é o principal gás negativo desses designados de efeito estufa, e são consequência directa do uso/queima de combustíveis fósseis como o carbono, o petróleo e o gás com fins de produção energética”, acrescentou.

Com esta adesão, o PAICV se compromete a “redobrar” os esforços no sentido de propiciar uma “revolução de ideias, de políticas e de estilos de vida que respondam a estes novos desafios, para criar um novo paradigma de como actuamos, como produzimos e como consumimos”.

E esta mudança do modo de pensar requer, segundo a mesma fonte, que os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) façam parte dos programas de educação básica, de formação profissional e de investigação e desenvolvimento, como também das decisões políticas.

GSF/JMV

Inforpress/Fim