Ordem dos Médicos Veterinários em Cabo Verde quer combater o exercício ilegal da actividade veterinária no país

Cidade da Praia, 08 Set (Inforpress) – A bastonária da Ordem dos Médicos Veterinários em Cabo Verde (OMV), Sandy Freire disse hoje que a instituição quer combater o exercício ilegal da profissão no país, valorizando deste modo os profissionais certificados no âmbito das suas funções.

Em entrevista à Inforpress, a bastonária defendeu que os médicos veterinários precisam de maior reconhecimento a nível nacional, mas para isso é necessário regular a actividade veterinária praticada no país.

“Nós queremos mostrar o que é a actividade veterinária, quem são os profissionais da área e quais são as funções que nos competem. Por outro lado, estamos a trabalhar para combater a prática ilegal, num processo que está em curso”, explicou.

Sandy Freire informou que em Cabo Verde há 27 médicos veterinários inscritos na Ordem, sendo que dois são reformados e três estão fora do país. Portanto, os restantes 22 estão espalhados pelas ilhas de Santiago, São Vicente, Boa Vista, Maio, Santo Antão e Fogo.

Porém, reconheceu que o número de profissionais é insuficiente, visto que há necessidade de dar uma boa cobertura e resposta às demandas que o sector carece.

“Os números têm aumentado, mas não da forma como queríamos. A actuação pede mais médicos veterinários e o ideal seria que em todas as ilhas tivéssemos pelo menos um veterinário”, ajuntou, realçando que a classe precisa do dobro de profissionais com que conta hoje.

Apesar da publicação oficial da sua criação em 2016, a OMV tem pautado na instalação processual do órgão, que conforme avançou a bastonária, vem desde o estatuto, que passou pelo código deontológico, como também a procura de parcerias.

“Ainda não começamos a divulgar a ordem justamente pela questão dos trâmites do processo de instalação, que nos obriga a concentrar esforços um pouco mais nessa parte”, disse.

A responsável considerou que a Ordem irá promover “a defesa do exercício da profissão veterinária”, contribuindo para a “sua melhoria e progresso” nos domínios científico, técnico e profissional, aos interesses profissionais dos seus membros e da “salvaguarda” dos princípios deontológicos que se impõem em toda actividade.

“A área de actuação dos veterinários é ampla, nomeadamente a área clínica, cirúrgica, nutrição animal, temos a parte laboratório veterinária que acaba abrangendo um pouco de todas as áreas e, temos a saúde pública que abrange o tratamento de doenças e a parte da inspecção de todos os produtos de animais e origens de animais”, destacou.

A criação da OMV foi aprovada em Conselho de Ministros, em 2016.

HR/FP

Inforpress/Fim