Inicio Ambiente ONU reorganiza plano para abordar “causas profundas” da “complexa crise” de acção...

ONU reorganiza plano para abordar “causas profundas” da “complexa crise” de acção no Sahel

Cidade da Praia, 11 Set (Inforpress) – As Nações Unidas estão a reorganizar seu plano de acção para abordar as “causas profundas” da “complexa crise” no Sahel, especialmente ao apresentar uma visão de desenvolvimento para a região, informou hoje a ECA.

Numa nota que a Inforpress teve acesso, a Comissão Económica para a África (ECA) informa que se encontra neste momento a liderar um estudo prospectivo realizado por agências da ONU, no âmbito desta reorganização do referido plano de acção.

A iniciativa, segundo a mesma fonte, leva em conta o facto de as “ameaças complexas” à segurança nacional e transfronteiriça na região estarem a se intensificar e as crises de governança ”piorando”, bem como os “levantes estruturais” do clima.

Tudo isto, prossegue, tem “um sério impacto” na segurança humana e no desenvolvimento sustentável no Sahel.

O estudo visa identificar os fundamentos e definir as condições necessárias para o desenvolvimento da região.

O Sahel, apesar de “muitos problemas”, é dotado de “abundantes recursos naturais” como petróleo, ouro e urânio.

“Se esses recursos forem gerenciados de maneira justa e sustentável, eles podem transformar a vida de milhões de pessoas na região. Até 2018, pelo menos 24 milhões de pessoas precisam de assistência humanitária no Sahel, daí a ambiciosa iniciativa da ONU”, lê-se no referido documento.

A mesma nota ajunta ainda que o estudo, que está a ser conduzido de forma “participativa e inclusiva”, fornecerá análises políticas “relevantes” e escolhas de políticas aos governos do Sahel, aos principais actores regionais e ao sistema das Nações Unidas “para acelerar o desenvolvimento socioeconómico e facilitar a redução da pobreza, com programas nacionais, regionais e internacionais de desenvolvimento”.

Este estudo prospectivo, que também faz parte da reorganização da Estratégia Integrada das Nações Unidas para o Sahel (UNISS), da Agenda 2063 da União Africana e dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), permitirá aos dez países em causa (Burkina Faso, Chade, Camarões, Gâmbia, Guiné, Mali, Mauritânia, Nigéria, Níger e Senegal) encontrar medidas sustentáveis para enfrentar os desafios da região, particularmente os relacionados governança, segurança e desenvolvimento sustentável.

GSF/AA

Inforpress/Fim