O empoderamento das mulheres continua a ser o maior desafio da classe empresarial – AMES

Cidade da Praia, 19 Nov (Inforpress) – A presidente da Associação das Mulheres Empresárias de Cabo Verde (AMES), Eunice Mascarenhas, afirmou hoje que o maior desafio da classe empresarial continua a ser o empoderamento das mulheres que se encontram sobretudo nas micro e pequenas empresas.

A constatação foi feita por Eunice Mascarenhas, que falava aos jornalistas momentos antes da abertura do debate sobre “Ambiente de Negócios, Ecossistema de Financiamento e Orçamento do Estado”, que aconteceu esta tarde, na Cidade da Praia, no âmbito do Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino, assinalado hoje e que contou com a presença do primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva.

“O nosso maior desafio continua a ser o empoderamento das mulheres no sector empresarial, e temos de deixar de estar preocupadas apenas com as mulheres que estão nas micro e pequenas empresas e começarmos a pensar também em criar verdadeiras empresárias para ocuparem cargos de eleição nas empresas privadas e públicas”, constatou.

Avançou que para assinalar a data, desafiaram o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva e o Governo, para um diálogo com a classe empresarial feminina, com o intuito de saberem quais são as acções e medidas que o governante tem disponível para esta camada da sociedade que, no seu entender, é de grande importância para a economia nacional.

Eunice Mascarenhas explicou que durante o encontro o Governo vai apresentar a classe quais são os projectos e ideias existentes e o quê que o Orçamento de Estado 2019 contempla para o sector empresarial, sobretudo para as mulheres.

Entretanto, avançou que, à margem do evento, será assinado um protocolo de cooperação entre a Associação das Mulheres Empresárias de Cabo Verde (AMES) e o Governo, que visa criar um programa projecto de informação e formação do sector empresarial no seu todo.

“Uma das questões que deparamos com as nossas sócias e as várias empresárias é que muitas desconhecem as leis e legislação”, referiu a presidente, que realçou a importância desse acordo, uma vez que a mesma irá fazer com que a associação trabalhe de forma mais interactiva e próxima do Governo.

Por seu turno, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, reconheceu que existem ainda alguns desafios e problemas a serem ultrapassados para que o sector privado possa avançar, reiterando o compromisso do Governo em continuar a trabalhar para ultrapassar os constrangimentos.

Na ocasião, adiantou que neste momento existem um conjunto de instrumentos que estão disponíveis, mas sublinhou que para a efectivação é preciso que as instituições que trabalham dentro desse ecossistema como a Pro Empresa, IEFP, Pro Capital, Pro Garantia e os próprios bancos estejam também com esta disponibilidade.

Em relação aos reembolsos do IVA, assegurou que a devolução será feita num prazo de 45 dias, medidas essa que, no seu entender, vai permitir que haja uma programação financeira do Governo, que as empresas tenham previsibilidade no seu financiamento e tesouraria e que as regras funcionem.

“Para o próximo ano, vamos lançar um programa de capacitação institucional para as micro e pequenas empresas, para reforçarmos a capacidade de gestão das nossas empresas, para que possam apresentar projectos aos bancos para que possam crescer e eliminar esses problemas de volume de créditos muito baixo”, referiu.

Promovido pela AMES, em parceria com a Federação das Mulheres Empresárias e Empreendedoras da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e o Governo de Cabo Verde, o encontro tem por objectivo valorizar cada vez mais a referida data e prestigiar também todas as mulheres envolvidas no circuito do empreendedorismo.

A comemoração do Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino, que se assinala a 19 de Novembro, visa celebrar e apoiar a entrada de mulheres no universo corporativo.

AV/JMV

Inforpress/Fim