Novo programa de apoio da ONU a Cabo Verde avaliado em 80 milhões de euros

 

Cidade da Praia, 31 Jul (Inforpress) – Cabo Verde e as Nações Unidas validaram hoje o novo programa de assistência técnica para o quinquénio 2018-2022, avaliado em 80 milhões de euros, e que aposta forte nas pessoas e no desenvolvimento sustentável e inclusivo do país.

O programa-quadro das Nações Unidas para a Assistência ao Desenvolvimento (UNDAF) de Cabo Verde, para o período 2018-2022 e que começou a ser preparado há dois meses, foi validado pelo diretor Nacional da Política Externa de Cabo Verde, Júlio Morais, e pela Coordenadora Residente das Nações Unidas em Cabo Verde, Ulrika Richardson.

O plano estratégico, de carácter transversal, terá como preocupação fundamental dar resposta aos desafios da juventude cabo-verdiana, em que os jovens com menos de 25 anos representam cerca de 50% da população.

Com uma aposta forte nas pessoas, o programa quinquenal pretende também desenvolver o capital humano, mitigar riscos sociais e ambientais, apostar na educação, saúde, proteção das crianças, segurança alimentar, crescimento, género, qualificação recursos humanos.

Segundo o director Nacional da Política Externa de Cabo Verde, Júlio Morais, dos 80 milhões de euros precisos para o programa, cerca de 40% já está disponível, mas 60% ainda será mobilizado junto de parceiros ao longo da sua implementação.

A Coordenadora Residente das Nações Unidas em Cabo Verde, Ulrika Richardson, destacou a participação de várias instituições cabo-verdianas na elaboração do programa, salientando que é a prova que as parcerias de qualidade poderão produzir resultados também de qualidade.

Depois da validação hoje dos indicadores, linhas de base, resultados almejados e recursos previstos, nos próximos dois meses serão ainda discutidos os planos de trabalho e sua operacionalização, para a assinatura final do programa acontecer até Outubro.

O encontro de validação do programa foi encerrado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros cabo-verdiano, Luís Filipe Tavares, que afirmou que o documento responde às grandes linhas estratégicas de desenvolvimento do país.

UNDAF assimila outras premissas fundamentais da Agenda 2030, que constituem preocupação central das autoridades nacionais e da sociedade civil cabo-verdiana em geral: os direitos humanos e igualdade de género e o empoderamento das mulheres e resiliência e a responsabilidade ou prestação de contas”, apontou ministro.

Destacando também o envolvimento de várias instituições públicas e privadas na sua elaboração, o governante disse que o desafio agora para o Governo é fazer uma gestão eficiente do financiamento da ONU e criar as condições para materialização, seguimento e avaliação periódica do programa, que começa a ser implementado no início do próximo ano.

O actual programa de assistência das Nações Unidas foi assinado em 2012 e vai até ao final do ano, abrangendo várias áreas como o crescimento inclusivo e redução da pobreza, consolidação das instituições, democracia e cidadania, redução das desigualdades e disparidades.

Lusa/Inforpress/Fim