Novo comandante da polícia diz-se “entusiasmado” para servir “simpática população” de São Vicente

 

Mindelo, 04 Set (Inforpress) – O novo comandante da Polícia Nacional (PN) em São Vicente, Intendente Alírio Correia e Silva, mostrou-se hoje “entusiasmado” pela oportunidade de servir a “simpática população” da ilha, contando com a “acostumada parceria” em defesa do bem público comum.

Na cerimónia de tomada de posse, no Salão Nobre da Câmara Municipal de São Vicente, ocorrida ao final da manhã de hoje, na presença do ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, o novo comandante disse que “grande” é a sua vontade de trabalhar e contribuir para a “melhoria” da qualidade de vida da população, através de “boa prestação” do serviço da PN.

É que, segundo a mesma fonte, a situação criminal nacional e local “interpela a todos” para a necessidade de implementação de estratégias de policiamento “bem definidas” para, assim, atingir os objectivos pretendidos pelas comunidades no combate aos ilícitos criminais, entre outros.

Face ao “índice de criminalidade que tem afligido a vida das pessoas” de uns anos a esta parte, Alírio Correia e Silva assumiu o “compromisso firme” de liderar a aplicação das políticas de segurança pública, de forma “planeada, organizada e orientada”, tendo a garantia do “pleno exercício” dos direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos “no centro” da sua atenção.

“Queremos inverter esse ciclo vicioso da insegurança persistente para um ciclo virtuoso da segurança que a população tanto reclama e almeja, com razão”, lançou o novo comandante da PN em São Vicente, que ainda aproveitou para “render uma homenagem” ao ex-comandante Alcides da Luz, o qual, após 41 anos e sete meses ao serviço da polícia, passa à reforma.

Presente, igualmente, na cerimónia, o director nacional da PN, superintendente-geral Emanuel Estaline Moreno, pediu ao novo comandante regional para “não poupar esforços” para corresponder aos anseios da comunidade sanvicentina, e conseguir “mais e melhor” segurança, atento à “complexidade do fenómeno” e dos resultados almejados.

“Baixar o sentimento de insegurança é um desígnio, a redução da criminalidade a um limite socialmente aceitável, de entre outras atribuições, é um repto que os sanvicentinos esperam e desejam para que a comunidade tenha uma vida tranquila e em segurança”, concretizou Emanuel Estaline Moreno.

O responsável destacou ainda a importância do estabelecimento de parcerias a diversos níveis para se encontrar “soluções viáveis” para os problemas que se colocam para a segurança e o bem-estar da comunidade.

O comandante nacional aproveitou a ocasião para anunciar que, com o reforço de meios por parte do Estado, aliado à reorganização dos serviços a nível central, dos comandos regionais e das estruturas intermédias, a implementação do programa de segurança interna e cidadania do Governo,  para breve, “estarão reunidas as condições” para “um salto qualitativo” na erradicação das incivilidades, de outras ocorrências criminais e da impunidade que se assiste nos diversos centros populacionais.

“Conjuntamente com outros integrantes do sistema de segurança interna estaremos focados e determinados a reverter a tendência dos níveis de prevalência de criminalidade na ilha de São Vicente, que neste semestre, em comparação com o período homólogo de 2016, sofreu um aumento de 11 por cento (%), com particular incidência para os crimes contra património”, concluiu Emanuel Estaline Moreno.

AA/ZS

Inforpress/Fim