Novo ano lectivo arranca com cerca de 8 mil docentes e 130 mil alunos – Ministério da Educação

 

Cidade da Praia, 08 Set (Inforpress) – O novo ano lectivo 2016/2017, previsto para arrancar a 18 de Setembro vai contar com 130 mil alunos e 7.815 docentes mais 218 do que no ano anterior, revelou hoje o Ministério da Educação.

A informação foi avançada hoje, pelo director geral de Orçamento e Gestão do Ministério da Educação, José Manuel Marques, durante uma conferência de imprensa para falar sobre os preparativos do novo ano lectivo que arranca a 18 de Setembro.

Segundo avançou o responsável, para este ano, estão previstos um total de 130 mil alunos, sendo que 22 mil no Pré-Escolar, 74 mil do 1º ao 7º ano de escolaridade e do 8º ao 12º com 34 mil alunos.

“No último ano lectivo, pudemos constactar que a nível nacional houve uma diminuição de cerca de 800 alunos no sistema educativo, mas também um acrescimento a nível local com maior relevância nas ilhas do Sal e da Boa Vista, tendo em conta a mobilidade interna e o fluxo migratório”, explicou José Manuel Marques, sustentando que de acordo com o estudo, o decréscimo está relacionado com a natalidade.

Em relação aos professores, adiantou que face à necessidade para o próximo ano lectivo, foram contratados mais 218 docentes que irão juntar-se aos 7.597 efectivos.

“Para este ano, vamos ter 77 agrupamentos educativos, com novas formas de gestão, com mais elementos, ou seja, para além do director irá ter ainda um sub-director pedagógico do ensino básico e um administrativo e as delegações passam a gerir os seus próprios recursos”, acrescentou, frisando que essa mudança vai trazer alguma dinâmica em termos de melhoria de gestão pedagógica e administrativa dos respectivos polos.

Por outro lado, sublinhou que neste momento as escolas do Lavadouro e Constantino Semedo encontram-se em obras profundas, que, segundo o mesmo, poderão causar algum transtorno e incomodo durante o arranque do ano lectivo.

Por seu turno, a directora nacional de educação, garantiu que tudo está pronto para o arranque do novo ano lectivo, que se inicia a 18 de Setembro.

Confirmou que está prevista a introdução da língua portuguesa, como língua segunda no primeiro ano de escolaridade, línguas inglesas e francesas com línguas estrangeiras no 5º ano de escolaridade, introdução do Mandarim para os alunos do 9º ano dos concelhos de Santa Catarina de Santiago, Praia e São Vicente e isenção de propinas para os alunos até o 7º ano.

Em relação a introdução dos cadernos experimentais, afiançou que em dezembro deste ano vão ser reavaliados, para que novo próximo ano possam ser efetivados como manuais definitivos.

No seu entender, a implementação de novas medidas vai ajudar a melhorar a qualidade do ensino, materializado na diminuição do abandono escolar e o aumento do sucesso, voltando assim para o êxito e o desenvolvimento das competências linguísticas, científicas e humanísticas dos alunos.

Na ocasião, o presidente da Fundação Cabo-verdiana de Acção Social e Escolar (FICASE), garantiu que os manuais já estão disponíveis em todas as ilhas, mas que a aquisição depende da dinâmica das livrarias.

“Com a revisão curricular, foram introduzidos alguns cadernos experimentais, que estarão disponíveis apenas nas delegações das escolas, e serão vendidos a preço de custo”, revelou o presidente que assegurou que a partir da próxima semana os kits escolares serão distribuídos às respectivas famílias.

A nível do ensino Pré-escolar, adiantou que o apoio vai ser feito paulatinamente, após a FICASE analisar cada caso, mas essa ajuda poderá estender até aos alunos do 7º e 8º ano de escolaridade.

AV/ZS

Inforpress/Fim