Música: Artistas nacionais veem no AME uma oportunidade de entrar no mundo da música internacional

Cidade da Praia, 16 Abr (Inforpress) – Os artistas cabo-verdianos Bob Mascarenhas, Josemar Gonçalves e Romeu di Lurdes veem a sua participação na VII edição do Atlantic Music Expo, que inicia hoje na Praia “uma oportunidade de entrar no mundo da música a nível internacional”.

A Inforpress registou esse “desabafo” em conversa com alguns dos artistas nacionais que foram seleccionados para participar desta VII edição, nomeadamente Bob Mascarenhas, Josemar Gonçalves e Romeu di Lurdes, estando a cerimónia de abertura do certame aprazo para esta noite na Assembleia Nacional, na Cidade da Praia, tendo como promotores um elenco de dez produtores nacionais.

Entretanto, só a partir do dia 17 é que os praienses, os artistas nacionais e internacionais, e as delegações vão ter a oportunidade de participar no programa geral que decorre de 17 a 19 integrado por workshops, conferências, ‘one to one’, ‘meetings, daycases’, ‘showcases’ e a realização de uma feira da música na Praça Alexandre Albuquerque.

Da conversa que a Inforpress manteve no domingo com alguns dos artistas nacionais que irão subir ao palco neste certame, Bob Mascarenhas, que participa pela segunda vez, apesar de já ter uma carreira promissora no país e na diáspora, deixou transparecer a sua ansiedade “confessando” que não quer perder esta oportunidade de voltar a mostrar para o mundo aquilo que sabe fazer no palco.

“AME é um mercado muito importante para os artistas cabo-verdianos, onde vamos vender o nosso trabalho, e para isso cada artista tem que se engajar com muita garra e com muita força para que possamos atingir o objectivo que temos na nossa mente”, disse.

Embota tenha estado alguns meses fora do palco, o artista disse que não há oportunidade melhor de regressar logo para um certame deste quilate do AME, razão por que promete “levar o público ao delírio” com as músicas do segundo trabalho “Rakodja” e algumas músicas do primeiro álbum “Rapacinhu Lantuna”.

Para o jovem artista sanvicentino, Josemar Gonçalves, este evento são “portas e janelas que vão se abrir”, pois, é um “momento único” de mostrar um pouco do seu estilo musical para o mundo inteiro.

“Espero encontrar um produtor para apostar em mim, para que possa ter a oportunidade de gravar o meu álbum de música tradicional, mas com um estilo próprio, por isso vou dar o melhor de mim para conseguir esse desejo”, perspectivou.

“Um passo muito grande na carreia”, é como define o artista Romeu di Lurdes a sua primeira participação no AME.

“Significa um passo muito grande, porque é um palco onde vai ter muitas pessoas a ver, a comprar e para apreciar e como eu gosto de actuar vejo-o como um palco grande de levar a música de Cabo Verde mais longe. É mais uma janela que está a abrir e uma oportunidade para que os artistas possam brilhar cada vez mais no mundo”, afirmou.

O jovem artista, que acabou de lançar o seu primeiro disco intitulado “Amoransa”, promete abrilhantar os ‘showcases’ com as suas melodias que insere neste álbum, onde, para além de fazer referência ao amor, também fala de tudo que lhe rodeia.

Para além desses três artistas, a nível nacional foram também selecionados Djocy Santos, Débora Paris, Dani Santoz, Puto Makina, DJ Fat Boy, Osmar, Projecto Sarabudja, Mamadou Sulabanku e Rosa Mestre.

A nível internacional, marcam presença no AME/18, Marco Oliveira, de Portugal; Djazia Sarut, de Argélia; Ilam, de Senegal; Jupiter&Okwess, do Congo; Shaw Ferguson, de Canada; Djeli Moussa Conde, da Guiné Conacry; Fredy V & The Foundation; de Montreal; Dj Buruntuma, da Guiné Bissau; Arsene Duevi, da Itália; Sofiane Saudi & Mazalda, de Argélia e Afotonix, do Chade.

Com um orçamento de 16 mil contos, a sétima edição do AME vai contar com a presença de 30 jornalistas de diferentes órgãos de comunicação social de vários países, mais de 400 delegados, e terá mais de 200 músicos a actuar, sendo 120 internacionais e 70 nacionais.

AM/FP

Inforpress/Fim