Movimento Civil para Comunidades Responsáveis promove marcha de demonstração de amor pelos animais

Cidade da Praia, 25 Ago (Inforpress)- O Movimento Civil para as Comunidades Responsáveis (MCCR), promove hoje na Cidade da Praia, uma marcha de demonstração de amor pelos animais e alertar as pessoas sobre o aumento da violência sobretudo contra os cães.

Em declarações à Inforpress, Debora Carvalho, uma das integrantes do movimento disse que a acção cívica denominada “Marcha pelo amor aos animais contra a violência” visa sensibilizar a população em geral sobre as barbaridades e crueldades por que os animais têm passado nos últimos tempos em Cabo Verde e assinalar o Dia Internacional dos Animais, o melhor amigo do homem, celebrado a 26 de Agosto.

Avançou que o objectivo é demonstrar o amor pelo melhor amigo do homem, que somos contra a violência nos animais, que hoje em dia, é considerado algo de normal na sociedade cabo-verdiana.

“Nas vésperas do Dia Internacional do Cão o melhor amigo do Homem, não queremos perder a oportunidade de mostrar que em Cabo Verde também tem muitas pessoas que gostam e amam os cães”, assegurou sublinhando que a ideia é chamar atenção sobre as acções que tem acontecido nos últimos tempos no país, medidas essas que, ao seu ver, não é normal nem correcto.

Debora Carvalho disse que essas crueldades e barbaridades têm acontecido um pouco por todo o país, à luz do dia e muitas das vezes ocorrem mesmo na presença das crianças.

Por outro lado, acusou ainda as câmaras municipais de Assomada, da Praia e de Ponta do Sol em Santo Antão, de contratar jovens desempregados para matar cães de rua.

“Os cães são apanhados indiscriminadamente e colocados dentro de uma viatura onde são encaminhados para lixeiras e mortos com choque eléctrico”, revelou a responsável que assegurou que por cada animal morto a autarquia paga 300 escudos.

Debora Carvalho afirmou ainda que as câmaras municipais não estão a cumprir com a lei cabo-verdiana que diz que todas as autarquias deviam ter um veterinário que dará o aval de abate e que a mesma deve ser feita de forma indolor.

Conforme ainda a mesma, neste momento a Cidade da Praia tem cerca de 20 mil cães, mas nem todos estão na rua, realçando que o problema poderá ser resolvido se todos assumirem as suas responsabilidades.

“Propomos a adopção em massa de animais, criação de estruturas permanentes para castração e desparasitação para estancar a produção da população canina”, indicou a responsável que sublinhou que para a criação de estruturas será necessário o envolvimento e engajamento das câmaras municipais, Organizações Não Governamentais (ONG) de protecção dos animais e da cooperação internacional.

Segundo explicou, a ideia é que as pessoas sobretudo as famílias mais vulneráveis tenham um centro para onde levar os seus animais, sendo que, actualmente, grande parte dos animais são abandonadas porque os donos não têm como pagar a castração e desparasitação.

Debora Carvalho mostrou-se confiante de que será possível acabar com os cães de rua se essas medidas forem implementadas.

A marcha terá início as 9h00 em frente ao Estádio da Várzea e termina no Plateau.

AV/FP

Inforpress/Fim