Mosteiros: Café do Fogo já foi internacional pela empresa Fogo Coffee Spirit – responsável

São Filipe, 15 Abr (Inforpress) – O café do Fogo já foi internacionalizado devido a um conjunto de acções implementadas pela empresa Fogo Coffee Spirit e por isso “é extemporâneo” falar agora na sua internacionalização.

A empresa Fogo Coffee Spirit colocou o café do Fogo na maior cadeia de cafés do mundo, a Starbucks, disse à Inforpress um dos responsáveis da empresa, à margem do sexto festival de café que decorreu entre os dias 12 e 14 de Abril na cidade de Igreja (Mosteiros), acrescentando que a mesma empresa exibiu o café processado “em grandes mercados” como Itália, Espanha, Holanda e Inglaterra.

“A empresa tem um cliente no Japão que compra o café todos os anos por via área, um outro na Holanda que compra toda a produção, desde que seja de qualidade, alem de Starbucks que exige determinados parâmetros de padronização e qualidade, e compra o café de acordo com o preço da bolsa do café de Nova Iorque e o pagamento é feito adiantado”, disse aquele responsável.

Por isso, a mesma fonte disse não entender o porquê de só agora as pessoas que não entendem do café falam na sua internacionalização, observando que “hoje todo o mundo quer falar do café”.

Apesar da produção deste ano ser praticamente nula, a empresa comprou algumas toneladas de cerejas, isto não obstante a mensagem passada de que não iria faze-lo e algumas pessoas não foram fiéis à empresa.

Explicou que, ao longo dos anos, a empresa acompanhou os produtores, ofereceu-lhes gratuitamente as plantas, tendo ao todo produzido 130 mil pés de plantas, sendo que no primeiro ano, além de oferecer a empresa pagou as despesas da plantação.

A previsão era para aquisição de 15 a 18 toneladas de cerejas, que é “extremamente baixa” devido à produção “quase nula e o não engajamento dos maiores produtores”.

A sexta edição do “Fogo Coffee Fest” iniciada no dia na cidade de Igreja (Mosteiros), sob lema “Cultura do café e o seu valor económico na actualidade”, terminou na noite de domingo com actuação de grupos locais.

Actuaram Félix Lopes, Nhô Nani e a banda Passadinha, constituída por Júlio Correia, Braz de Andrade e Amadeu Fontes, e foi ainda realizadauma conferencia, uma corrida do café, um concurso de poesia, com bolo e confecção de café, pelo meio.

JR/AA

Inforpress/Fim