Inicio Sociedade Ministro da Saúde propõe encontro nacional para perspectivar desenvolvimento do CENORF

Ministro da Saúde propõe encontro nacional para perspectivar desenvolvimento do CENORF

Cidade da Praia, 09 Fev (Inforpress) – O ministro da Saúde e da Segurança Social, Arlindo do Rosário, propôs hoje, ao Centro Nacional de Ortopedia e Reabilitação (CERNOF), a realização de um encontro nacional para reflectir e perspectivar o desenvolvimento das competências do Centro.

Arlindo do Rosário fez essa proposta, em declarações à imprensa, quando falava da visita de trabalho que efectuou ao CENORF, em Achada São Filipe, Cidade da Praia, para se inteirar do funcionamento, das actividades desenvolvidas e das dificuldades por que passa a instituição.

“Isso, para em conjunto, encontrarmos a melhor forma de apoiar o CENORF, de uma forma estruturada e objectiva para que ele não dependa da boa vontade dos outros. O ministério tem vindo a prestar apoio e ele pode variar de acordo com o trabalho prestado”, disse.

Além do apoio monetário que, anualmente ronda dos dois mil contos, o Ministério da Saúde, garantiu o ministro, pode ainda ajudar com a formação dos técnicos e outras necessidades apontadas pelo Centro.

Neste âmbito, sublinhou, o protocolo assinado esta manhã, com os dirigentes do Centro, tem como propósito apoiar a instituição na compra de equipamentos para poderem levar adiante o trabalho.

“O apoio ao CENORF é, sobretudo, pela visão do trabalho que vem desempenhando e pelo impacto que terá na diminuição de evacuações para o exterior no que tange a próteses devido a imputação”, realçou.

Segundo o director do CENORF, a instituição que tem funcionado, ao longo dos anos, com o apoio dos parceiros precisa ganhar sustentabilidade para poder ter mais independência e conquistar o mercado.

“Este ano fizemos um programa referente ao período 2018/2020, pelo que queríamos saber em que medida o Ministério da Saúde e da Segurança Social está disposto a seguir-nos nessa matéria. Vamos também, reunir com o INPS (Instituto Nacional de Previdência Social), a Garantia, seguradora Impar e a Direcção-Geral da Família e Promoção Social para debater o mesmo assunto e conseguirmos, assim, a sustentabilidade que almejamos”, explicou.

Por se tratar de uma instituição que trabalha para promover a inclusão social dos deficientes no país, António Pedro Melo quer respostas para poder ultrapassar as dificuldades por que vem passando desde a saída da Handicap Internacional de Cabo Verde.

Ainda segundo António Pedro Melo, com a segurança financeira e técnica do Centro as seguradoras vão ganhar em termos financeiros, pois, os custos para evacuação para fazer prótese no exterior são muito superior se ela é feita no país.

O CENORF, afirmou, na sua actividade bianual, programou saídas para as outras ilhas do país, mas para isso, sublinhou, precisa de financiamento para chegar aos mais necessitados e criar uma loja de ortopedia e criar fundo para o Centro.

A instituição atendeu no ano passado 172 pessoas que receberam aparelhos diversos fabricados pelo centro.

O CENORF, que funciona anualmente com um orçamento de 16 mil contos, é uma instituição única no país que tem conseguido, após 15 anos de existência, satisfazer o eco de muitos deficientes que necessitaram de prótese ou de aparelhos para problemas de cariz ortopédico.

No entanto, tem funcionado sempre com problemas financeiros e que não obstante as promessas dos sucessivos governos em mudar a situação, nada tem acontecido para que tal fosse possível.

O Centro Nacional de Ortopedia e Reabilitação é uma estrutura vocacionada para o fabrico e a reparação de próteses, e prestação de serviços de ortopedia e reabilitação física, além da sua vocação social que o permita atender gratuitamente ou a baixos custos, os deficientes mais vulneráveis.

PC/CP

Inforpress/Fim