Inicio Ambiente Ministra da Família destaca importância da mobilização de conhecimentos para redução de riscos...

Ministra da Família destaca importância da mobilização de conhecimentos para redução de riscos de desastre

 

Cidade da Praia, 06 Nov (Inforpress) – A ministra da Família e Inclusão Social enalteceu hoje a importância da mobilização de conhecimentos que cada um tem em diferentes perspectivas para elaborar a estratégia de intervenção, visando a redução de riscos de desastre em Cabo Verde.

Maritza Rosabal, que falava na cerimónia de abertura da formação prática em Avaliação das Necessidades Pós- Desastre (PDNA) e Quadro de Recuperação (DRF), na Cidade da Praia, disse que o encontro pode ser um “importante momento” de aprofundamento e aprendizagem técnica sobre o desenvolvimento de mecanismos e de capacidade que possam aumentar a resiliência e dar respostas as necessidades das populações.

“Seria interessante neste evento reflectir como vamos fazer para dar resposta às populações face as mudanças climáticas, nomeadamente a seca e outros fenómenos naturais”, salientou a ministra.

Segundo a governante, numa situação pós-desastre, a parte infraestrutural é importante, mas, no seu entender também não se pode esquecer, sobretudo, que os processos de recuperação, são sociais.

A erupção vulcânica na ilha do Fogo é um exemplo, acrescentou Maritza Rosabal.

Para a ministra, qualquer aspecto que se vai tratar sobre esta matéria há que ter em conta a realidade social, as práticas e os interesses das populações.

“Porque senão podemos elaborar planos gloriosos do ponto de vista infraestrutural, mas não avançamos muito em termos de recuperação efectiva das populações”, advertiu Maritza Rosabal salientando que o impacto de qualquer desastre natural tem efeitos diferentes nos homens e nas mulheres.

Na ocasião, falou também do inquérito Cadastro Social Único que está a decorrer no país, um instrumento “muito importante” para o desenvolvimento do trabalho dos técnicos que trabalham a área da protecção civil.

Este instrumento, segundo a ministra da Educação e ministra da Família e Inclusão Social, define as áreas de vulnerabilidade, nomeadamente a saúde, habitação, rendimento das famílias, entre outras, que poderão ajudar os técnicos na sua actuação.

O levantamento já foi feito nas zonas que foram consideradas prioritárias pelos municípios, nas ilhas da Boa Vista, Sal, São Vicente, São Nicolau e Fogo.

Neste momento, em parceria com o Serviço Nacional da Protecção Civil está-se a fazer o levantamento das zonas prioritárias na Cidade da Praia.

A formação, que terá a duração de cinco, dias é promovida pelo Serviço Nacional de Proteção Civil e Bombeiros (SNPCB), em parceria com os Escritórios da CEDEAO para a Redução de Riscos de Desastre e com o apoio técnico das Nações Unidas.

A acção visa capacitar os técnicos nacionais em matéria de redução de riscos de desastre, tendo como estudo de caso as últimas cheias/inundações de Setembro de 2016, na Ilha de Santo Antão.

JL/CP

Inforpress/Fim