Ministra da Educação destaca ganhos do sistema de agrupamento escolar implementado em 2017

Cidade da Praia, 20 Ago (Inforpress) –  A ministra da Educação, Família e Inclusão Social, Maritza Rosabal destacou hoje os ganhos da implementação do sistema de agrupamento escolar, tendo anunciado alguns ajustes para o ano lectivo que se avizinha.

“Agrupamentos escolares é uma forma de funcionamento que permite capitalizar os recursos humanos e recursos materiais. Penso que sempre que houver modificação há alguma crítica, mas mudar é necessário, sobretudo para que os nossos alunos estejam melhores”, disse a ministra em reação a algumas reclamações dos pais e encarregados de educação em relação a esse modelo implementado no ano lectivo 2017/18.

Maritza Rosabal que falava aos jornalistas a propósito da reunião do Conselho do Ministério que acontece na Cidade da Praia para balanço do ano lectivo 2017/18 e perspectivar o novo ano lectivo, frisou que neste momento a partir do 5ºano de escolaridade todos os alunos do país têm acesso ao ensino da língua francesa e Inglesa.

“Antes só aquelas famílias que tinham um rendimento que lhe permitia, podiam fazer isso. Portanto era acesso para poucos e hoje é para todos. Também o acesso às tecnologias. Qualquer ajuste sempre cria alguns constrangimentos, mas também é verdade que foram criadas as condições para que os alunos e os docentes pudessem fazer isso”, salientou.

Segundo a ministra, este ano os agrupamentos escolares em alguns lugares estão a sofrer ajustes.  Neste particular, Santa Cruz é um concelho que passa por ajustes em termos de rede para aumentar os locais em que há acesso até 8º ano de escolaridade, mas nos outros lugares haverá mexidas “mais profundas”.

Conforme avançou, neste ano lectivo que se avizinha o Ministério da Educação está a recrutar mais professores não só para substituir os docentes que vão para a reforma, mas leccionar as disciplinas de inglês e francês.

Os agrupamentos de escolas são unidades organizacionais, dotadas de órgãos próprios de administração e gestão, constituídos por estabelecimentos de um ou mais níveis e ciclos de ensino, com um projecto educativo comum.

A ministra considera que a constituição de agrupamento de escolas, entre outros, critérios releva a construção de percursos escolares integrados, articulação curricular entre níveis e ciclos educativos e proximidade geográfica.

Durante três dias, o Conselho do Ministério, que integra delegados do Ministério de Educação de todos os municípios do país, vai analisar os resultados do ano lectivo findo, concelho a concelho, e analisar os desafios de cada região e estabelecer directrizes para os ultrapassar.

MJB/FP

Inforpress/fim