Ministério Público acusa companhia aérea Binter de omissão de auxílio no caso de evacuação médica na Boa Vista

Cidade da Praia, 10 Dez (Inforpress) -O Ministério Público acusou a companhia aérea Binter do crime de impedimento à prestação de socorro e de omissão de auxílio, no caso da morte da jovem grávida evacuada de barco da ilha da Boa Vista para o Sal.

O caso aconteceu em Junho desde ano, em que uma jovem de 30 anos, que sofria de uma gravidez ectópica, tinha sido transportada de barco para a ilha do Sal, depois da alegada recusa da companhia aérea Binter de transportar a doente.

De acordo com um comunicado divulgado hoje, depois da realização de todas as diligências e do encerramento do caso, a 06 deste mês, o MP acusou duas pessoas colectivas e dois indivíduos, tendo requerido o julgamento dos mesmos em tribunal singular, por entender que “há fortemente indiciados da prática de ilícitos criminais”.

O MP acusou um estabelecimento médico privado da ilha da Boa Vista e um indivíduo de sexo masculino, de 38 anos, médico de profissão, imputados em co-autoria material e na forma consumada do crime de uso de documento de identificação alheio em concurso real efectivo e de exercício ilegal de profissão.

A companhia aérea Binter e uma colaboradora da empresa, de 30 anos, foram imputados, em co-autoria material e na forma consumada o crime de impedimento à prestação de socorro em concurso real efectivo e de omissão de auxílio.

O Ministério Público pediu ainda uma indemnização civil no valor de dois milhões de escudos (acrescidos de juros à taxa legal) em representação dos dois filhos menores da vítima.

AV/JMV

Inforpress/Fim