Mercado municipal do Platô fecha em Janeiro por um dia para uma melhor reorganização – Gestora do espaço

 

Cidade da Praia, 04 Dez (Inforpress)- O mercado municipal do Platô vai fechar no dia 05 de Janeiro de 2018, para que no dia seguinte sejam feitos trabalhos para uma melhor organização e possa reabrir, no dia 08, com novas medidas e redução dos comerciantes.

Esta informação foi avançada hoje à Inforpress, pela gestora do mercado do Platô, Patrícia Freire, assegurando que se trata de pôr em prática o regulamento de organização e funcionamento do mercado municipal do Platô, que define posturas, direitos e deveres das vendedeiras e obrigações de todas as partes.

Neste momento, conforme informou, o mercado está sobrelotado, devido a um grande número de comerciantes e de produtos.

De acordo com a responsável, por não ter capacidade de armazenamento e de acolher todos os comerciantes, a “praça” está a ficar cada vez mais pequena.

O mercado tem capacidade para acolher cerca de 300 vendedeiras, mas Patrícia Freire informou que se pode estender até 500 vendedeiras, cifra que a mesa fonte admitiu estar de longe já ultrapassada.

Entretanto, a partir do dia 05 de Janeiro, todas as vendedeiras vão ser retiradas do mercado, e, no dia seguinte, vai ser feito todo o trabalho de limpeza e desentupimento dos esgotos e arrumação das bancas, para que no dia 08, voltem apenas as vendedeiras que estão na lista.

Com a redução do pessoal, vão ficar, no rés-do-chão, 252 vendedeiras de verduras, no piso “1” , dedicado a de frutas 159, no talho 13 pessoas, na peixaria 34, na praça de alimentos 32, no comércio de linguiça cinco, na venda de carne salgada seis pessoas, perfazendo um total de 501 titulares.

Com a reabertura do mercado, todas as vendedeiras vão passar a usar uniformes, cartão de sanidade, crachá de identificação, onde, através de um “software”, é possível ver todos os dados do comerciante, inclusive, se têm ou não as cotas em dia.

Vai ser ainda introduzidas balanças digitais, pois, de acordo com a responsável, as balanças usadas pelas comerciantes não estão aferidas.

A gestora do mercado do Platô anunciou, ainda, a introdução de cortadores eléctricos no Talho e instalações de novos quiosques para as doçarias, linguiça e carne salgada.

A fonte adiantou que vão ser retirados todos os bens que os comerciantes levam para o mercado, como frigoríficos, baldes, entre outros.

“Estamos a sensibilizar os comerciantes que devem trazer somente aquilo que conseguem vender no dia, porque quando trazem tudo para o mercado, com objectivo de armazenar ali, isso acaba por criar uma grande desordem, as bancas ficam sobrelotadas, as vendedeiras não sentam nos lugares apropriados, condicionando os corredores e os utentes ficam condicionados a fazer compras”, disse.

Ainda para o bom funcionamento do mercado, a autarquia está a trabalhar na reciclagem dos comerciantes, com formação na área de marketing de venda, manuseamento dos alimentos, higiéne pessoal, organização pessoal e financeira.

Patrícia Freire afirmou que estão a incentivar a alfabetização dos comerciantes e que, neste momento, 85 comerciantes estão interessadas em participar nas aulas, mas ainda aguardam uma decisão da Coordenação de Educação para os Adultos.

As vendedeiras que vão ser retiradas do mercado municipal do Platô vão ter de se instalar em mercados alternativos da capital, nomeadamente Cotchi Pó, Mercados de Achadinha e de Vila Nova, segundo Patrícia Freire.

AM/JMV

Inforpress/Fim