Mau ano agrícola: Governo reúne-se com autarcas para articular implementação do plano de emergência

 

Cidade da Praia, 08 Nov (Inforpress) – O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, e o ministro da Agricultura vão estar reunidos na tarde hoje com os presidentes das câmaras municipais para articularem a implementação do plano de emergência para fazer face ao mau ano agrícola.

De acordo com informações recolhidas junto de alguns autarcas, o encontro previsto para as 15:00, será momento para os responsáveis camarários apresentarem os seus planos locais e juntos definirem a implementação de acções para minimizar os efeitos deste ano de seca que assola o País.

O Governo anunciou no início do mês de Outubro que vai implementar o plano de emergência de salvamento de gado e de mitigação da seca num montante de 880 mil contos, tendo em conta o mau ano agrícola que se constata.

Este dinheiro, de acordo com o executivo deve socorrer cerca de 17 mil e 200 famílias, das quais 62% estão localizadas no mundo rural, que serão directamente afectadas pela seca.

De entre as medidas previstas neste plano constam acçoes direccionadas para o salvamento do gado, gestão adequada dos recursos hídricos, bem como a criação de oportunidades de emprego para as famílias que não vão poder usufruir de nenhuma produção agrícola.

Ainda no quadro das medidas para fazer face ao mau ano agrícola que se vive no arquipélago, o Conselho de Ministros já aprovou o projecto de proposta de lei que institui o regime especial de benefícios fiscais na importação de todos os alimentos e pastos para os animais, medicamentos veterinários e materiais para a faina agrícola.

Também foi aprovada a resolução que cria uma linha de crédito de emergência para os agricultores e criadores de gado. Esta linha de crédito, no montante de 50 mil contos, deve ser gerida pelas instituições de microfinanças através de um protocolo que o Governo vai assinar com estas organizações.

A grande novidade a propósito desta linha de crédito, é que nos reembolsos os beneficiários não pagarão juros.

MJB/FP

Inforpress/fim