Maio: Projecto AquaMaio está a depender do aval do governo para o seu arranque -promotor

 

Porto Inglês, 12 Mai (Inforpress) – O promotor do projecto AquaMaio, Rui Amante da Rosa, disse hoje à Inforpress que tudo está a postos para o arranque deste investimento, faltando somente o aval do governo para que se iniciem as obras, o que ele almeja que seja para breve.

Segundo o promotor, o projecto AquaMaio foi criado há cerca de cinco anos e tem como propósito o desenvolvimento da aquacultura na ilha, produzindo peixes, camarão e ostras para a sua comercialização fresco e de alta qualidade para o mercado internacional, principalmente para o mercado europeu.

Conforme avançou aquele representante, todas as condições já estão praticamente criadas para o arranque do projecto, tendo em vista que o financiamento que vai ser suportado por um grupo de investidores Israelitas já está garantido, faltando neste momento somente o aval do governo e para tal disse estar a sentir total abertura do executivo.

“Nós estamos a esperar para, depois de acertarmos com o governo, preparar para trazermos os investidores, que já cá estiveram, já fizeram os estudos, os levantamentos para arrancarmos com o projecto o quanto antes e estamos a sentir uma abertura excelente do primeiro-ministro que, aliás, nos incentiva para isso”, frisou.

Rui Amante da Rosa afirmou que, para a fase inicial, que é a maricultura, ou seja a produção no mar, vão precisar de cerca de 300 trabalhadores efectivos, funcionários estes que vão passar para uma fase de formação antes do arranque do projecto.

A perspectiva, numa fase posterior, “quando passarmos para terra”, é “atingir os 1500 trabalhadores”.

De acordo com aquele promotor, até o ano de 2025, prevêem produzir 15 mil toneladas de peixe por ano e para tal vão precisar de cerca de 40 mil toneladas de ração ano, neste sentido estão a prever entre carga e descarga um volume de cerca de 60 toneladas ano .

O projecto, cuja instalação está prevista para a zona de Galeão, de acordo com o Rui Amante da Rosa, está orçado em cerca de 34 milhões de euros e vai ocupar uma parte na área marinha e a outra na parte terrestre.

Confrontado com este assunto, o chefe do governo disse que existe um interesse por parte dos investidores na parte da Aquacultura e que o governo está disponível e que vai criar todas as condições para que este projecto se concretize para criar rendimento e posto de trabalho para as pessoas na ilha do Maio, sublinhando “este é o fim último do governo”.

Todavia, avançou que o aval deste projecto, do qual está à espera a empresa AquaMaio para avançar com as obras, vai ser analisado nos próximos dias, na convenção de estabelecimentos, visto que isso é um instrumento importante para depois se iniciar com o projecto.

O promotor Rui Amante da Rosa aproveitou a recente visita do primeiro-ministro à ilha do Maio para apresentar os seu projecto e pedir ao chefe do governo um “aval positivo e breve”, por forma a arrancar com as obras, tendo em vista que pretendem abastecer o mercado já no próximo ano.

WN/JMV

Inforpress/Fim