Maio: Peixeiras dizem-se capacitadas para apresentarem novo produto no mercado à base de transformação do pescado

Porto Inglês, 16 Abr (Inforpress) – Dezoito peixeiras da ilha do Maio receberam uma formação na área de transformação de pescado, no âmbito do projecto turismo comunitário e solidário e dizem estar preparadas para oferecer um novo produto no mercado local.

Em conversa hoje com a Inforpress, a peixeira Vandreia Dos Santos Neves, residente na cidade do Porto Inglês, que participou na formação de uma semana na área de transformação de pescado, assegurou que neste momento sentem-se capacitadas para produzirem alguns produtos feitos à base de peixe, como por exemplo, hambúrguer, harmonias, bem como linguiça e peixe enlatado.

Conforme avançou aquela peixeira, a partir deste momento vão aproveitar  todo o pescado que não conseguirem vender no dia-a-dia para transforma-lo e coloca-lo no mercado de uma forma diferente, informando que  existe já um cliente “pronto  receber o nosso produto na Cidade da Praia, fruto de uma parceria que assinamos no quadro desta formação, pelo que agora é só trabalharmos para fornece-lo”.

“Essa formação veio em boa hora, porque muitas vezes temos atum, que sobra no dia-a-dia e muitas vezes não sabemos o que fazer com estes restos, mas a partir de agora estamos capacitadas para transforma-los num outro produto de qualidade e coloca-lio no mercado”, afiançou,  lembrando que a partir de agora estão motivadas para trabalharem em grupo, de modo a abastecerem tanto o mercado local como outras ilhas.

Por seu lado, Doroteia Martins,  que também é peixeira e reside na vila da Calheta,  disse que estão motivadas para confeccionarem os diversos produtos derivados de peixe para abastecerem tanto o mercado local como nacional.

Informou que já neste sábado vão colocar no mercado os seus produtos para as pessoas que vieram da Cidade da Praia para passarem a festividades da Páscoa na ilha, numa iniciativa de uma associação de turismo do Maio.

“Antes, tínhamos algum problema em dar seguimento ao pescado que nos sobrava após um dia de trabalho, mas agora, com essa formação – embora não seja a  primeira vez que estamos frequentar este tipo de acção –  estamos mais motivadas em produzir estes produtos, visto que já temos aonde colocar tudo que vamos produzir a partir de agora”, afiançou.

De referir que esta formação aconteceu no âmbito do projecto “turismos comunitário e solidário” financiado pela União Europeia e executada pelo IMVF e Câmara Municipal do Maio.

WN/JMV

Inforpress/Fim