Liquidação da TACV custaria ao Estado cerca de 60 milhões de euros – Olavo Correia

 

Cidade da Praia, 04 Dez (Inforpress) – A liquidação da TACV custaria ao Estado de Cabo Verde cerca de 60 milhões de euros, conforme estimativas apresentadas hoje pelo ministro das Finanças, Olavo Correia, em sede da Comissão Especializada de Finanças e Orçamento.

Olavo Correia, que foi ouvido sobre a gestão da TACV, falou da “situação difícil” em que o actual Governo encontrou a Transportadora Aérea Cabo-verdiana e das pressões várias que recebeu dos parceiros externos para liquidar a empresa.

Entretanto, adiantou que, por opção própria, o Governo decidiu não liquidar a empresa e avançar com o processo de reestruturação e privatização.

“Os custos da liquidação eram muito altos. Mais de 60 milhões de euros e decidimos assumir os custos desse processo e ir para um quadro de reestruturação e privatização”, disse, adiantando que o governo está ciente de que o processo de privatização é uma operação de “alto risco”.

Olavo Correia adiantou que, depois de assinar o contrato de gestão com a Loftleider Icelandic, do grupo Icelandair, deu-se inicio à avaliação da empresa, num processo que deverá estar concluído no inicio do próximo ano, para se iniciar com a reestruturação e privatização.

“Já tínhamos uma avaliação do Governo anterior, mas o quadro alterou-se e essa avaliação tinha de ser actualizada e com avaliação teremos dados para iniciar as negociações, quer com o parceiros estratégicos (Icelandair) quer com os demais investidores que estão interessados”, explicou.

O ministro das Finanças adiantou ainda que o executivo já negociou com o Afreximbank, que demonstrou interesse em financiar essa operação.

No que se refere às indemnizações dos trabalhadores afirmou que o país já tem recursos suficientes para fechar esse processo. Para já, indicou que já está aberto o período para aqueles que estejam interessados na reforma antecipada possam manifestar-se.

A partir do momento em que a empresa estiver reestruturada, o Governo não vai meter mais dinheiro na empresa e para assumir a dívida da TACV foi criada a empresa NEWCO, que vai garantir o pagamento dessa dívida por contrapartida dos activos que vão ser alienados com o processo da privatização.

O Governo espera que com a privatização o país possa ter os recursos necessários para balancear os valores existentes em termos de passivo do lado da TACV.

O ministro das Finanças garantiu que o executivo está a trabalhar, tendo em vista uma empresa doméstica que funcione autonomamente, sem intervenção do Estado e uma empresa internacional que funcionará com base num plano de negócios e de forma privada, sem intervenção do Estado em matéria de financiamento.

MJB/JMV

Inforpress/fim