Legislativo chinês pronto para consagrar fim de limitação de mandatos para Presidente

 

Pequim, 10 Mar (Inforpress) – O legislativo chinês vota no domingo a emenda constitucional que removerá o limite de dois mandatos no exercício de cargo de Presidente do país, cumprindo uma formalidade com desfecho previsível face ao papel sobretudo cerimonial daquele órgão.

Constitucionalmente, a Assembleia Nacional Popular (ANP) é o “supremo órgão do poder de Estado na China”, mas cerca de 70% dos seus quase 3.000 deputados são membros do Partido Comunista Chinês (PCC), assegurando a sua lealdade ao poder político.

Os deputados são eleitos por cinco anos, a partir das assembleias das diferentes províncias, regiões autónomas, municípios, regiões administrativas especiais e das Forças Armadas do país, e estão encarregados de aprovar projectos de lei, o relatório do Governo, orçamento ou o plano de desenvolvimento económico-social.

A ANP elege também os principais titulares dos órgãos do Estado.

Em mais de meio século de existência, os delegados da assembleia chinesa nunca rejeitaram um projecto de lei ou documento e, até finais dos anos de 1980, as aprovações ocorriam sempre com unanimidade absoluta.

Foi só em 1988 que, pela primeira vez, um delegado da ANP votou “não”. Também inéditos foram os três votos de abstenção, ocorridos em 1982.

A abolição do limite de mandatos permitirá a Xi Jinping, um dos mais fortes líderes na história da República Popular da China, ficar no cargo depois de 2023, quando terminar o seu segundo mandato.

O PCC elimina assim um dos princípios fundamentais da política chinesa nas últimas décadas, que distinguia o regime de Pequim de outros estados autoritários, e que analistas consideram ter sido crucial para a estabilidade política que permitiu à China converter-se na segunda maior economia mundial, no espaço de trinta anos.

A República Popular conhece bem os excessos do totalitarismo: durante o ‘reinado’ de Mao Zedong – que governou de 1949 a 1976 -, a pobre e isolada China vivia num universo à parte, mergulhada em violentas “campanhas políticas” que vitimaram milhões de pessoas.

A emenda constitucional, no entanto, deve ser aprovada no domingo, sem surpresas.

A proposta do Comité Central do PCC foi tornada pública em 25 de Fevereiro, uma semana antes do início da sessão anual da ANP.

Citado pela agência oficial Xinhua, Xi Jinping destacou, durante um painel de discussão com delegados da Assembleia, que a proposta foi “plenamente democrática”, feita “após uma recolha de opiniões a partir de diferentes sectores”, e que “ilustra o desejo comum do Partido e do povo”.

O líder chinês referiu ainda que a emenda constitucional permitirá “modernizar o sistema chinês e a capacidade de governação do país”.

Além da abolição do limite de mandatos, a emenda deverá incluir a Teoria de Xi Jinping na constituição do país, a criação de uma agência estatal de combate à corrupção e um papel ainda mais dominante para o PCC.

Xi está a executar uma vasta agenda, que inclui tornar o sector estatal mais competitivo, desenvolver a indústria de alta tecnologia, reduzir a pobreza e combater a poluição.

O objectivo é converter a China numa “potência global” e um “Estado socialista moderno”, até meados deste século.

No entanto, para Richard McGregor, antigo chefe da delegação em Pequim do jornal Financial Times, o reavivar do absolutismo na China pode ter consequências imprevisíveis.

“Não importa qual a perspectiva” diz, “a centralização de poder em torno de Xi remete para tempos obscuros no país”.

Inforpress/Lusa

Fim